Jogadores envolvidos em briga no Centenário responderão processo em liberdade

  • Por Agencia EFE
  • 22/01/2014 19h48

Montevidéu, 22 jan (EFE).- A Justiça uruguaia decidiu nesta quarta-feira não pedir a prisão provisória de oito jogadores detidos na véspera pelo envolvimento em uma briga generalizada durante o clássico entre Nacional e Peñarol, no Estádio Centenário de Montevidéu.

Ainda assim, os atletas nao poderão atuar por suas equipes pelos próximos dois meses. Leonardo Burián, Diego Arismendi, Darwin Torres, Santiago García e Ignacio González, do Nacional, e Fabián Estoyanoff, Carlos Núñez, Jonathan Sandoval e Washington Aguerre, do Peñarol, aguardarão julgamento em liberdade.

A juíza responsável pelo caso tomou uma decisão mais branda do que o pedido feito pela promotoria, que pedia que todos os atletas aguardassem a audiência presos.

Durante partida amistosa que terminou com vitória do Nacional por 1 a 0, o tumulto começou quando Carlos Nuñez, do Peñarol atingiu gravemente um adversário. A partir daí, os jogadores iniciaram um conflito generalizado.

Caso condenados, os envolvidos na confusão do Estádio Centenário podem ser punidos com penas de prisão de três a 24 meses. EFE