Jovens revelações, campanhas medianas e problemas extracampo marcam ano do Santos

  • Por Jovem Pan
  • 24/12/2014 17h38
CURITIBA, PR, 19.11.2014: ATLÉTICO-PR-SANTOS - Leandro damião e Robinho na partida entre Atlético-PR X Santos, realizada na noite desta quarta-feira (19) na Arena da Baixada em Curitiba (PR), pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro. (Foto: Giuliano Gomes/Folhapress)Apesar da expectativa

O ano não foi fácil para o Santos. Se nos últimos anos o clube se acostumou à estabilidade e ao protagonismo nos campeonatos que disputou, em 2014 a história foi diferente. Problemas extracampo e decepções dentro dele impediram que o período deixasse saudades no torcedor.

O começo foi promissor. Sob o comando de Oswaldo de Oliveira, o alvinegro mostrou um futebol rápido e envolvente no Campeonato Paulista, que serviu também para que novas promessas, como Gabriel e Geuvânio, pudessem mostrar serviço. Na decisão, porém, o surpreendente Ituano acabou levando a taça em disputa de pênaltis.

O Campeonato Brasileiro não foi muito melhor para o Peixe. Uma campanha mediana no primeiro turno foi responsável pela demissão de Oswaldo de Oliveira e subsequente contratação de Enderson Moreira. Leandro Damião, contratado por 40 milhões de reais no começo da temporada, mostrou-se, jogo após jogo, uma decepção. A volta de Robinho, emprestado pelo Milan, não foi suficiente para elevar o time de patamar e levá-lo à briga pela Libertadores.

Na Copa do Brasil, o desempenho foi ligeiramente melhor. Nas oitavas de final, a vitória sobre o Grêmio em Porto Alegre ficou marcada por ofensas racistas de torcida gaúcha contra o goleiro Aranha, culminando na exclusão do clube da competição pelo STJD. A equipe ainda passou pelo Botafogo, mas perdeu a vaga na final para o Cruzeiro.

No término da temporada, as notícias sobre o time praiano passaram a focar o extracampo. Jogadores admitiram publicamente que estavam com os salários atrasados e as eleições para presidente foram adiadas após suspeita de fraude – Modesto Roma Júnior foi o escolhido posteriormente. Se 2014 foi um ano confuso e não muito empolgante para os santistas, 2015 é uma incógnita.