Justiça americana confirma prisão de José Maria Marin na Suíça

  • Por Jovem Pan
  • 27/05/2015 08h04
Ex-presidente da CBF

O Departamento de Justiça dos EUA publicou nota oficial sobre as acusações que levaram as detenções de dirigentes da FIFA em Zurique nesta quinta-feira. O documento é intitulado “Nove dirigentes da FIFA e cinco executivos indiciados por extorsão e corrupção” e confirma que sete réus foram presos. Entre os detidos está o ex-presidente da CBF, José Maria Marin.

De acordo com o documento, 14 pessoas foram indiciadas por extorsão, fraude eletrônica, conspiração para lavar dinheiro em um “esquema de 24 anos para enriquecer através da corrupção no futebol”. Além de Marin, foram confirmadas as prisões de Jeffrey Webb (presidente da Concacaf), Eugenio Figueiredo, Rafael Esquivel, Eduardo Li, Julio Rocha e Costa Takkas, e um mandado de busca também será executado na sede da Concacaf, em Miami.

De acordo com o jornal NY Times, a operação foi realizada durante a madrugada pela polícia suíça no luxuoso hotel Baur au Lac, nos Alpes, onde os dirigentes se reúnem para seu encontro anual. Os agentes recolheram as chaves na recepção e se dirigiram para os quartos para proceder com as detenções.

A nota afirma ainda que o americano Charles “Chuck” Blazer, ex-secretário-geral da CONCACAF e o brasileiro José Hawilla, dono da empresa de marketing esportivo Traffic, são réus que se declararam culpados. As prisões foram realizadas a partir de pedido da promotoria de Nova York, que investiga supostos subornos e comissões desde o início dos anos 90 até a atualidade. Os detidos estavam em um hotel e participaram do Congresso da Fifa, que elegeria, inclusive, o presidente da entidade, até esta sexta-feira.