Koff sobre punição: “se ajudar a acabar com o racismo, o Grêmio fica feliz”

  • Por Jovem Pan
  • 04/09/2014 10h10

O presidente do GrêmioFábio Koff

O Grêmio pegou uma punição bastante pesada na última quarta-feira (4), quando o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) decidiu pela exclusão do clube gaúcho da Copa do Brasil por conta do episódio de injúrias raciais efetuadas por torcedores e direcionadas ao goleiro Aranha, durante partida disputada na semana passada, válida pelas oitavas de final do torneio nacional.

Depois do resultado do julgamento, o presidente do Grêmio, Fábio Koff, se manifestou e ressaltou que o Grêmio entrará com recurso no Pleno do STJD. O mandatário deixou claro que não concorda com a decisão.

“O Grêmio respeita a decisão, embora discorde dela tecnicamente. Não digo que houve injustiça, mas houve um exagero na interpretação da regra. Temos que conceituar e entender de maneira diferente a injúria racista da manifestação”, disse em entrevista à ESPN. “O Grêmio fez o possível para identificar os autores, foram entregues à polícia. Acho que o Grêmio foi punido duas vezes por um fato só”, prosseguiu.

Koff pontuou que, se a punição contribuir para acabar com o racismo no Brasil, ele ficaria satisfeito, mas o presidente do Grêmio não acredita que uma decisão dessas sirva para tal fim.

“Eu tenho apelado para os torcedores que ajudem o Grêmio porque acabam prejudicando nossa posição nos tribunais. Mas, se essa decisão ajudar a acabar com a injúria racial no Brasil, o Grêmio fica feliz”, finalizou Fábio Koff.

A decisão do STJD de excluir o Grêmio da Copa do Brasil foi de forma unânime, ou seja, por 5 votos a 0. Além disso, o time de Porto Alegre tomou uma multa total de R$ 54 mil e os torcedores que foram identificados foram proibidos de frequentarem estádios por 720 dias.