Lendário, Rubens Minelli aprova início de Tite: “com Dunga, não parecia o Brasil”

  • Por Jovem Pan
  • 07/09/2016 15h46

Rubens Minelli foi tricampeão nacional à frente de Internacional e São Paulo

Internacional/Divulgação Rubens Minelli foi tricampeão nacional à frente de Internacional e São Paulo

O desempenho da Seleção Brasileira nos dois primeiros jogos sob o comando de Tite não agradou apenas à torcida. Um dos melhores treinadores da história do futebol verde-amarelo, o lendário Rubens Minelli se surpreendeu com as atuações do Brasil contra Equador e Colômbia. 

Em entrevista exclusiva a Nilson César que vai ao ar no próximo fim de semana, na Rádio Jovem Pan, Minelli destacou a evolução da Seleção. Para o ex-técnico de 87 anos, mesmo com pouco tempo de trabalho, Tite já conseguiu fazer o Brasil jogar melhor do que na época de Dunga. 

“Fiquei surpreso com o comportamento da equipe. Na época do Dunga, não parecia que era o Brasil que jogava. No futebol brasileiro, tem que fazer acontecer. E é com essa mentalidade que eu vejo a Seleção Brasileira hoje. Nesses dois primeiros jogos do Tite, eu vi o time com outra postura, procurando se impor. Melhorou muito“, elogiou.

Mesmo assim, Minelli não acredita que a Seleção encontrará facilidades nas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2018. Se ocupava a sexta posição quando Dunga foi demitido, hoje o Brasil é o vice-líder da competição com 15 pontos – a um de distância do primeiro colocado, Uruguai. 

“Eu acho que vamos ter dificuldades, porque, apesar de a equipe ter melhorado consideravelmente em relação ao que era com o Dunga, essa classificação ainda não está garantida. Vamos ter muito trabalho ainda. A prova disso foi esse jogo contra a Colômbia. Foi uma partida muito dura, explicou. 

Rubens Minelli foi um dos técnicos mais vencedores da história do futebol brasileiro. Aposentado desde o início do século, o paulistano de 87 anos fez história entre as décadas de 1960 e 1980. À frente dos bancos de reservas, Minelli foi campeão nacional por Palmeiras, São Paulo e Inter. Por isso, mesmo sem nunca ter conseguido trabalhar na Seleção, tornou-se inspiração para muitos treinadores que estão em atividade atualmente – entre eles, Tite.