Longevidade e idolatria: jogadores europeus que dedicaram a vida a seus clubes

  • Por Jovem Pan
  • 25/05/2015 22h01
Drogba

Enquanto os clubes brasileiros têm dificuldades para manter seus craques por diversas temporadas, os europeus, justamente quem leva esses jogadores embora, vão colecionando ídolos de longa data. Em um curto período de tempo, quatro times tradicionais do Velho Continente se despedem de atletas que vestiram seu manto por muitos anos.

Didier Drogba comemorou o título inglês e deu adeus ao Chelsea aos 37 anos, tendo passado 10 defendendo os Blues. Steven Gerrard não teve despedida positiva, pois o Liverpool perdeu seus dois últimos jogos com o craque, sendo um deles de goleada. No Barcelona, Xavi jogará mais duas partidas antes de ir para o Catar. Por fim, Sebastian Kehl, volante do Borussia Dortmund que fez parte da Alemanha vice-campeã mundial em 2002, pendurou as chuteiras.

Confira abaixo e na galeria acima uma lista com grandes ídolos que defendem há anos seus clubes e se identificam muito com seus torcedores.

Totti, da Roma

Torcedor da Roma na infância, o meia-atacante se tornou uma bandeira do clube italiano, pelo qual joga profissionalmente desde 1992, quando tinha 16 anos. Agora, a meses de chegar aos 38, Totti ainda é peça importante do ataque romanista.

Xavi, do Barcelona

O meia foi por muitos anos um símbolo do estilo de jogo praticado pelo Barcelona e pela Seleção Espanhola e que consagrou as duas equipes com muitos títulos. De baixa estatura, pouca força física e velocidade limitada, Xavi achou seu lugar por meio da técnica apurada em passes e lançamento, beneficiados por uma visão de jogo fora de série. Antes de jogar no Al-Sadd, do Catar, pode conquistar a tríplice coroa na atual temporada.

Kehl, do Borussia Dortmund

Sebastian Kehl pode não ser um astro do futebol mundial, mas é muito querido pela torcida do Borussia Dortmund, onde jogou por 14 anos e do qual se despediu no fim de semana ao encerrar a carreira. Curiosamente, o volante defendeu a Seleção Alemã que perdeu para o Brasil na final da Copa do Mundo de 2002, mas a partir de 2006 não foi mais convocado.

Buffon, da Juventus

A relação entre Gianluigi Buffon e a Juventus é uma das mais famosas e bem-sucedidas do futebol. O goleiro joga desde 2001 na Velha Senhora, por quem disputou mais de 500 partidas e conquistou seis vezes o Campeonato Italiano. Aos 37 anos, pode conquistar a Liga dos Campeões pela primeira vez em junho.

Drogba, do Chelsea

Didier Drogba chegou ao Chelsea aos 26 anos e marcou história no clube. Participou das campanhas de quatro títulos ingleses e outras quatro Copas da Inglaterra. Além disso, foi fundamental na conquista da Liga dos Campeões em 2011-2012, inclusive marcando gol na final contra o Bayern de Munique. É um dos grandes ídolos da história dos Blues.

Lampard, do Chelsea

Apesar de ter se despedido do futebol inglês jogando pelo Manchester City, emprestado pelo New York City, dos EUA, onde jogará agora, Lampard fez sucesso pelo Chelsea. Foram nada menos que 13 anos nos Blues, onde o meia conquistou três vezes e o Campeonato Inglês e uma vez a Liga dos Campeões, entre outros.

Gerrard, do Liverpool

Outro caso de torcedor que virou ídolo de seu clube. Steven Gerrard vai para o Los Angeles Galaxy após jogar no Liverpool por 18 anos (contando seu período na base). Conquistou Liga dos Campeões e Copa da UEFA, mas não chegou a ser campeão inglês.

Rooney, do Manchester United

Um dos únicos desta lista que não se aposentou nem está perto disso. Tem 29 anos, sendo 11 defendendo o Manchester United, com o qual tem muita identificação. Apesar de viver altos e baixos na carreira, Rooney se mantém como jogador fundamental nas conquistas dos Diabos Vermelhos.

Joe Hart, do Manchester City

Mesmo não sendo unanimidade, Joe Hart também caminha para se tornar um ídolo. No Manchester City desde 2006, antes de o clube ser comprado por um milionário tailandês, é titular da meta também na Seleção Inglesa. Na atual Liga dos Campeões, teve uma atuação história na derrota para o Barcelona no segundo jogo das oitavas de final.

Di Natale, da Udinese

O artilheiro joga há dez anos na Udinese, onde virou ídolo com sua média de mais de 0,5 gol por jogo. Esses gols também o levaram a ser o sexto maior goleador da história do Campeonato Italiano. Di Natale chegou a anunciar, em 2013, a aposentadoria em 2014, mas voltou atrás e atualmente, com 37 anos de idade, continua jogando pelo time de Údine.

Casillas, do Real Madrid

Apesar de não estar na melhor fase com a torcida do Real, Iker Casillas é um símbolo do clube. Tem 34 anos, sendo 25 deles dedicados aos merengues. É tricampeão da Liga dos Campeões da Europa e penta do Campeonato Espanhol. Também teve papel importante nas conquistas recentes da Seleção Espanhola.