Löw mira Eurocopa e afirma que maior desafio é “revalidar o triunfo” da Copa

  • Por EFE
  • 15/01/2015 16h30

O técnico Joachim Löw minimizou o fato de sua seleção ter vencido somente na prorrogação

Joachim Löw

O técnico alemão, Joachim Löw, premiado na segunda-feira como melhor treinador de 2014 na cerimônia da Bola de Ouro da Fifa, considerou que o maior desafio da Alemanha após vencer a Copa do Mundo é “revalidar o triunfo”.

“Um título, por si só, está muito bom, mas reconquistá-lo… O que importa no futebol é sempre o futuro. Todos evoluímos, o futebol evolui. A Espanha conseguiu (evoluir), e para nós isso serve um pouco como exemplo a ser seguido”, assinala Löw em uma entrevista à portal da FIFA.

O treinador deixou claro que ganhar a Eurocopa de 2016, na França, é “um objetivo importantíssimo”,

“Quando uma equipe define uma era e ganha três torneios seguidos, como fizeram os espanhóis antes que nós (duas Eurocopas e uma Copa do Mundo), prova grandes doses de qualidade, inteligência e ambição. Nossa próxima tarefa agora é questionar como seremos capazes de revalidar um título assim”, acrescenta.

Às vésperas da Eurocopa, Löw afirma que haverá mudanças nos integrantes da equipe, já que várias de suas estrelas se aposentaram e outros se lesionaram ou não recuperaram o condicionamento físico após a Copa do Mundo.

“Por outro lado, o futebol evolui sem parar. É preciso estar sempre atento e saber em que direção queremos seguir. Como deverá jogar a equipe em dois anos?”, se pergunta antes de dizer que a Alemanha, que está “beirando a perfeição”, deve saber evoluir no jogo, na tática e no tipo de jogadores que usa.

Para o técnico, o ritmo de jogo ganhará até mais velocidade, embora já esteja “no limite”, e o aspecto físico continuará progredindo, enquanto a técnica “terá que se colocar à altura”.

Löw acredita que no futuro precisará de jogadores de muita habilidade técnica, capazes de controlar o jogo sob pressão em espaços reduzidos e de aproveitar espaços abertos porque haverá “cada vez menos espaço”. Segundo ele, “as equipes estão cada vez mais entrosadas e será cada vez mais difícil superar suas linhas”.

Seis meses depois que a Alemanha conquistou a Copa do Mundo pela quarta vez, o técnico relembrou a alegria e as emoções vividas no Brasil, mas ressaltou a importância de “ser capaz de voltar a olhar para frente”.

“É preciso prever o que pode vir no futuro e tentar se manter no mesmo nível demonstrado. Desafios importantísssimos se abrem diante de nós, não podemos viver festejando o título”, enfatizou.

Embora considere que nunca ninguém fará uma partida perfeita, reconhece que nas semifinais contra o Brasil, quando os alemães golearam a seleção da casa por 7 a 1, “tudo deu certo”.

No entanto, ele lembrou que a Alemanha não rendeu da mesma maneira em todos os jogos da Copa do Mundo, como por exemplo contra a Argélia, quando teve que brigar até a prorrogação para vencer.