Luciano considera melhor fase no Corinthians e admite corpo mole no passado

  • Por Lancepress
  • 17/08/2015 13h44
durante o treino esta manha no CT Joaquim Grava, zona leste da cidade. O proximo jogo do time sera quarta-feira dia 19/08, contra o Santos/SP na Vila Blemiro, jogo de ida da Copa do Brasil 2015. Juiz: - Sao Paulo / SP - Brasil - 17/08/2015. Foto: © Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians Agência Corinthians/Divulgação Em bom momento na temporada

Luciano deixou o Corinthians na reserva, como uma das últimas opções de Tite para o ataque. Defendeu a Seleção Brasileira nos Jogos Pan-Americanos de Toronto (CAN), onde fez cinco gols em quatro jogos. Voltou, ganhou a posição de titular e, nos últimos três jogos, fez mais cinco gols. Tudo isso faz o atacante considerar estar vivendo o melhor momento da carreira.

“Acho que, depois que voltei do Pan, voltei com mais experiência, pés no chão e, agora, estou colhendo os frutos que plantei. É o melhor momento da minha carreira”, analisou o jogador de 23 anos, em entrevista coletiva no CT Joaquim Grava, nesta segunda-feira.

O atacante foi contratado do Avaí após o Paulistão do ano passado, sob o comando de Mano Menezes. Após bom início, perdeu espaço e não conseguiu ser titular. Mesmo assim, terminou a temporada como vice-artilheiro, com 15 gols, um a menos que Guerrero.

O jogador admitiu que chegou a fazer corpo mole em alguns treinamentos.

“Às vezes, a gente treinava, eu saía desse treino e já queria ir embora, não fazia mais complemento. Sair (para a noite) nunca foi problema. Foi mais essa parte de treinamento, mas agora estou mudado. Virei um homem aqui”, garantiu.

Nesta temporada, Luciano começou sem espaço com Tite, uma vez que o ataque ainda contava com Emerson Sheik e Paolo Guerrero, e o colombiano Stiven Mendoza estava em alta. Neste meio tempo, pensou em sair. 

“Eu não era aproveitado, pensava sim em sair, mas meus companheiros, conversando, falaram para eu ter calma, esperar a oportunidade… Continuei trabalhando firme. Graças a Deus, a oportunidade bateu na minha porta, pude aproveitar e espero fazer o melhor”, disse.

“É tudo muito grande. Deixei subir à cabeça. Mesmo com a família pegando no pé. Mas agora eles me ajudaram, meu empresário, o professor, meus companheiros… Agora tem de manter o foco, os pés no chão. Mudei totalmente, sou outra pessoa e devo isso a eles. Sem eles, não sou nada. Grandes coisas estão por vir”, completou.