Magnata chinês paga 45 mi de euros por 20% das ações do Atlético de Madrid

  • Por EFE
  • 21/01/2015 13h09
Atlético de Madrid/Divulgação Empresário chinês adquire 20% das ações do Atlético de Madrid

O magnata chinês Wang Jianlin, proprietário do grupo Wanda e considerado como um dos homens mais ricos do país asiático, comprou nesta quarta-feira 20% das ações do Atlético de Madrid, desembolsando 45 milhões de euros (cerca de R$ 136 milhões) na aquisição.

O acordo, assinado em um luxuoso hotel do empresário chinês em Pequim, foi assinado pelo presidente e o chefe-executivo do clube, Enrique Cerezo e Miguel Ángel Gil Marín, além do presidente do braço cultural do grupo Wanda, Zhang Lin.

O pacto representa a primeira entrada do capital de uma companhia chinesa em um dos grandes do futebol europeu, e inclui também a construção de uma escola de futebol do Atlético de Madrid na China.

Wang, de 60 anos, explicou em discurso antes da assinatura do acordo que também considerou investir no Valencia, que acabou fechando com o bilionário Peter Sim, de Cingapura.

“Ser sócio do Wanda, uma das principais empresas mundiais em todos os setores, é um sonho”, destacou Cerezo.

Já Marín afirmou que o Wanda é um “sócio ideal” porque Wang prioriza valores como o “esforço e o trabalho em equipe”.

Com o acordo assinado hoje, o Atlético de Madrid lançou também uma versão em chinês de seu site oficial, já em funcionamento. O centro de formação atletas na China tem o objetivo de revelar novos talentos para compor o elenco do clube madrilenho no futuro.

“O investimento não só dará uma opção de ouro para os jogadores chineses que forem para o exterior, mas também melhorará a qualidade do futebol chinês e reduzirá a distância para o resto do mundo”, destacou Wang em comunicado.

O empresário chinês é um grande torcedor de futebol e na década de 1990 fundou o Dalian Wanda.

Wang começou a demonstrar interesse em investir em Madri em março do ano passado, quando comprou do Banco Santander o Edifício Espanha, na praça de mesmo nome, um dos mais emblemáticos prédios da cidade, por 265 milhões de euros.

Em setembro, Wang se reuniu em Pequim com o presidente do Governo espanhol, Mariano Rajoy, para analisar outros possíveis investimentos de sua companhia na Espanha.

Poucos dias depois vazou a informação sobre o interesse do empresário de construir um grande complexo de lazer no sudoeste de Madri, onde inicialmente seria erguido o Eurovegas.