Martino explica Messi e Neymar entre reservas: “não estavam prontos”

  • Por Agencia EFE
  • 11/01/2014 21h25

Messi e Neymar ficaram no banco na partida contra o Atlético de Madrid

Messi e Neymar ficaram no banco na partida contra o Atlético de Madrid

Após o empate sem gols com o Atlético de Madrid neste sábado no estádio Vicente Calderón, o técnico do Barcelona, Gerardo Martino, justificou a decisão de deixar seus dois principais atacantes, Lionel Messi e Neymar, no banco de reservas em um confronto direto pela liderança do Campeonato Espanhol.

“Qualquer treinador teria deixado Messi e Neymar no banco, eles não estavam prontos para começar a partida. A ideia era que Messi entrasse Messi no decorrer do segundo tempo, mas a lesão (no joelho) de Iniesta fez com que ele fosse para campo antes”, explicou o treinador argentino.

“Sou pago para tomar decisões, e para este jogo, era o melhor a ser feito. Não se pode esquecer que Messi estava há 60 dias inativo, fora da equipe, e Neymar sofreu dores estomacais e não treinou como o restante do elenco. Poderia dar certo ou errado, mas me parecia prudente começar o jogo sem eles”, completou.

Messi se recuperou recentemente de uma lesão na coxa esquerda que o manteve afastado dos gramados por um mês e meio e voltou na última quarta-feira, na goleada sobre o Getafe por 4 a 0, pela Copa do Rei. O argentino entrou no segundo tempo e marcou dois gols. Já Neymar foi desfalque no duelo do meio de semana devido a uma gastroenterite.

Sobre o jogo em si, Martino reconheceu que o Barça teve dificuldades para superar o sistema de marcação do Atlético e se disse satisfeito com o resultado.

“Contra o Atlético de Madrid, todo mundo encontra dificuldades. Contra eles, ninguém tem uma infinidade de chances de gol, e quando as tivemos, o goleiro respondeu bem. É importante o fato de termos tentado vencer e sobretudo não termos dado chances para o contra-ataque do Atlético. O empate foi bom. Jogaram os dois líderes do campeonato, e os dois terminaram o primeiro turno com 50 pontos, que é um número muito bom”, analisou.

Em um torneio que nos últimos foi dominado por Barcelona e Real Madrid, o Atlético vem conseguindo se “intrometer” na disputa. Na opinião de Martino, isso dificilmente mudará até o fim da temporada.

“Eles continuarão brigando pelo título. Tudo indica que será assim. Jogamos três partidas contra eles (duas pela Supercopa) e as três foram equilibradas”, finalizou.