Medalhista histórico, Gustavo Borges completa 43 anos; relembre conquistas

  • Por Jovem Pan
  • 01/12/2015 12h39
Com quatro medalhas no currículo

Quatro medalhas olímpicas, duas medalhas em mundiais de esportes aquáticos e dezenove medalhas em jogos pan-americanos. Esse é o currículo de Gustavo Borges. Um dos maiores atletas olímpicos da historia do Brasil, o ex-nadador completa 43 anos nesta quarta-feira (02).

Aposentado desde 2004, Gustavo é membro do Hall da Fama da Natação e se hoje a natação brasileira é esperança de medalhas para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016, muito se deve a história de Borges.

O sucesso do aniversariante nos anos 90 trouxe medalhas históricas ao país e se tornou um dos grandes incentivos para que uma geração promissora fosse criada no Brasil.

No aniversário de 43 anos de Gustavo Borges, o Jovem Pan Online relembra principais momentos da carreira do histórico nadador brasileiro:

Barcelona 1992: a primeira medalha olímpica

Logo em sua primeira Olimpíada, o aniversariante do dia tratou de fazer história: nos Jogos de Barcelona, em 92, Gustavo conquistou a medalha de prata nos 100 metros livre com o tempo de 00:49.43 e quebrou um jejum da natação brasileira que desde os jogos de 1984 não subia ao pódio em um Olimpíada. 

Atlanta 1996: mais duas medalhas

Em sua segunda participação em jogos olimpícos, Gustavo Borges tratou de proporcionar ao Brasil um feito ainda maior. Em Atlanta 96, o nadador brasileiro conquistou mais duas medalhas: bronze nos 100 metros livre (00:49.02) e prata nos 200 metros livres. (01:48.08)

Roma 1994: o brilho no Mundial

O Mundial de esportes aquáticos de 1994 é especial na carreira de Gustavo Borges. Foi em Roma que o brasileiro conquistou duas medalhas e mostrou, após sua primeira olimpíada, que teria um futuro realmente excelente: Gustavo trouxe para o Brasil o bronze nos 100m livres ao cravar 00:49.52, e mais um bronze no 4×100 metros livre, quando o quateto brasileiro fez 3:19.35.

Sidney 2000: o segundo bronze

Quando chegou aos jogos de Sidney, em 2000, Gustavo já tinha 28 anos e carregava o peso de ter conquistado três medalhas olimpicas. Sair da Austrália sem uma nova medalha no peito seria decepção, mas o aniversariante, ao lado de mais três parceiros, tratou de colocar a bandeira do Brasil mais uma vez no pódio de uma Olimpíada. Gustavo conquistou o bronze na prova do 4×100 metros. O time brasileiro que contava ainda com Fernando Scherer Edvaldo Valério e Carlos Jayme, e marcou (3:17.40).

Havana 1991: Barba, cabelo e bigode no Pan-americanos

O Pan-Americano de Havana, em 91, marcou as primeiras conquistas internacionais de Gustavo. Nos jogos disputados em Cuba, o nadador brasileiro brilhou, conquistou cinco medalhas (dois ouros, duas pratas e um bronze), e iniciou sua bela história em jogos pan-americanos.

Ouro – 100m livre – 00:49.48

Ouro – 4x100m livre – 03:23.28

Prata – 200m livre – 01:49.74

Prata – 4x200m livre – 07:23.39

Bronze – 50m livre – 00:22.82

Entrada para o Hall da Fama

Gustavo parou de nadar em 2004 e oito anos depiois recebeu um dos reconhecimentos maisi mportantes para um atleta. Em 2012, o brasileiro passou a fazer parte do Hall da Fama da Natação pelos feitos dentro e fora das piscinas, honraria dada aos principais nadadores da história.