Mercado inflacionado faz SP repensar janeiro. A base vai “mandar” em 2017

  • Por Jovem Pan
  • 02/11/2016 15h59
Rubens Chiri/saopaulofc.netAtual coordenador das Seleções femininas da CBF, Marco Aurélio Cunha pode se candidatar à presidência do São Paulo em 2020

Esqueça aquelas contratações numerosas, para compor o elenco. O São Paulo versão 2017 terá um grupo mais enxuto, com no máximo 30 jogadores, e vai priorizar a utilização de atletas da base à compra de reforços medianos, que, ano após ano, acumulam-se nos grandes clubes brasileiros entre dezembro e janeiro. 

Foi isto, pelo menos, o que garantiu Marco Aurélio Cunha. Em entrevista exclusiva a Flávio Prado que vai ao ar no próximo Plantão de Sábado, na Rádio Jovem Pan, o diretor de futebol do São Paulo revelou detalhes do planejamento tricolor para 2017.  

Segundo Cunha, a base vai ter muito mais espaço no time principal do São Paulo no ano que vem. Entre contratar um jogador comum e subir uma promessa de Cotia, a diretoria tricolor optará pela segunda opção – até porque o mercado inflacionado não ajuda, e o sucesso da equipe sub-20 anima. 

As contratações estão muito difíceis, caríssimas. Jogadores medianos custam muito caro… Então, se é para contratar um jogador comum por uma fortuna, eu prefiro fazer esses contratos com a base, e a gente jogar projetando um São Paulo mais rápido, insinuantecom jogadores que driblam…“, afirmou Marco Aurélio Cunha. 

É isso o que eu quero ver no São Paulo em 2017. O time do ano que vem vai ter alguns jogadores importantes, e uma boa maioria da base, para a gente poder mudar o São Paulo“, acrescentou o diretor, que, apesar de ter fechado com o clube apenas até o fim de 2016, já participa do planejamento para o ano que vem.

Tudo leva a crer, portanto, que jogadores como Lyanco, David Neres, Lucas Fernandes, Pedro e Luiz Araújo vão ter ainda mais espaço no time titular do São Paulo em 2017. E a ideia é que mais alguns talentos da base tricolor, campeã de quase tudo no início do ano, ganhem oportunidades no time de cima a partir da próxima temporada.  

Apesar de permitir a inscrição de no máximo 28 jogadores, o Campeonato Paulista vai servir de laboratório para estes jovens atletas. Será na competição estadual que a diretoria tricolor vai medir a força e o potencial de um time com idade mais baixa – a ausência na Libertadores e a consequente queda na receita contribuíram para esta decisão. 

“Eu penso, e tenho passado essa ideia ao presidente, que nós temos que usar essa nossa base virtuosa, campeã da Libertadores sub-20… São jogadores talentosos. Não é fazer política com a base, mas usar atletas de grande qualidade técnica em um momento muito bom da história do São Paulo“, explicou Cunha. 

As contratações, entretanto, não estão descartadas. Só que, em vez de contratar muito, o São Paulo vai tentar contratar bem – a ideia é fechar com reforços pontuais e de renome, principalmente do meio para frente. Nilmar e Willian agradam, e Michel Bastos é visto como uma importante moeda de troca.