Mineirinho do skate vibra com mineirinho do surfe: “é um orgulho total”

  • Por Lucas Reis / Jovem Pan
  • 23/12/2015 12h05
Presente na coletiva de Adriano de Souza

Acostumado a ser o centro das atenções e a ter os microfones ao seu redor após conquistas históricas para o Brasil, Sandro Dias, por um momento, quis ser apenas um espectador. Presente na coletiva de imprensa de seu amigo Adriano de Souza que retornou ao país após conquistar o Mundial de Surfe, o Mineirinho do skate conversou com exclusividade com a Jovem Pan e destacou a emoção de ver seu xará, o Mineirinho do surfe, com o troféu da WSL nas mãos.

Com um enorme sorriso estampado no rosto que ilustra a felicidade e o orgulho pela conquista do amigo, Sandro ressaltou o merecimento de Adriano que, segundo ele, “batalhou muito” para chegar ao topo do mundo do surfe, e destacou que entre duas grandes alegrias que teve neste final de 2015, a Copa do Brasil vencida pelo Palmeiras e o título de Mineirinho no WCT, vibrou mais assistindo ao amigo no Hawaii.

“É um orgulho total. Conheço o Adriano desde que ele tinha 12 anos de idade. Conheço bastante da carreira dele, sei o quanto ele batalhou e foi determinado por isso. É um grande orgulho ver o Adriano campeão mundial. Estou muito feliz, fiquei muito feliz no dia e quando fiquei sabendo dessa recepção pra ele, fiz questão de ficar aqui para dar um abraço ao vivo”, afirmou o skatista brasileiro.

“Eu comemorei bastante. Pela história e amizade, mais o título do Mineiro (do que a conquista do Palmeiras Campeão da Copa do Brasil). Até por saber que é um esporte individual, é uma pessoa que batalhou muito”, destacou Sandro, torcedor fanático do Palmeiras.

O momento de Adriano

Acompanhando a carreira de seu xará desde a infância, o Mineirinho do skate destacou que, após dez anos na elite do surfe mundial e uma temporada muito boa em 2015, realmente chegou o momento de Adriano de Souza comandar o WCT.

“Todo mundo sabia que iria chegar a hora dele. Chegou graças a determinação dele”, disse Sandro. “Ele tem uma história mais longa que essa geração nova, era muito mais merecedor. Pela história dele que todo mundo acompanhou, nessa ocasião, merecia mais. Por tudo que passou no ano, vestiu a camisa amarela em algumas etapas… Não era o melhor classificado para o título, mas chegou determinado e fez a lição de casa”, completou.

Histórias parecidas de superação e a valorização do esporte no país

“Tenho muito orgulho da história dele de superação e determinação, é mais ou menos parecida com a minha história. Até por isso, a gente pensa muito mais no que temos no Brasil e valorizamos as marcas que temos aqui, vejo que ele pensa da mesma forma que: temos que valorizar o que temos no Brasil”, ressaltou o skatista de 40 anos, com seis títulos mundiais no currículo.