Ministério Público se reúne com clubes paulistas para elaborar TAC

  • Por Jovem Pan
  • 13/03/2014 19h10
JOINVILLE,SC,11.08.2012:BRASILEIRÃO/ATLÉTICO PR E VASCO/BRIGA - Torcedor do Atlético PR, espancando por vascaínos, é atendido pelo helicóptero da Polícia Militar, após briga entre torcidas do Atlético PR e Vasco durante a partida entre Atlético PR e Vasco RJ válida pela Série A do Campeonato Brasileiro 2013 no Estádio Arena Joinville em Joinville (SC), neste domingo (08). (Foto: Joka Madruga/Futura Press/Folhapress)Briga paralisa partida entre Atlético-PR x Vasco

Segundo informações divulgadas no site oficial da Ponte Preta, o Ministério Público do Estado de São Paulo se reuniu na última quarta-feira com advogados alguns times paulistas, entre eles Palmeiras, São Paulo, Santos, Corinthians, Portuguesa, Guarani e a própria Ponte Preta, para discutir a elaboração de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), conjunto de medidas para conter a violência nos estádios.

O advogado do alvinegro campineiro, João Felipe Artiolli, explicou como foi o encontro com o Ministério Público.

“O promotor Roberto Senise apresentou uma sugestão para que os advogados dos clubes analisem e proponham eventuais alterações. A ideia é que nos reunamos mais uma ou duas vezes nos próximos trinta dias e que ao final deles seja criado um TAC que todos os clubes assinarão”, declarou Artiolli.

Na reunião, foram discutidas algumas medidas para conter os casos de violência nos estádios e, entre as ideias, foi proposta a adesão a recursos tecnológicos para evitar que pessoas condenadas criminalmente entrem nos estádios e em outros locais de eventos esportivos.

“Outra intenção do MP é fazer constar do documento um compromisso dos clubes de futebol em não financiar de maneira alguma torcidas organizadas e afins. No caso da Ponte, é algo que já não fazemos, mas assinar um termo é importante, pois desta maneira os clubes assumem compromisso independentemente de quem estiver à frente das gestões”, finalizou o advogado da Ponte Preta.