Ministro diz que governo brasileiro apoia investigação sobre a Fifa

  • Por Agência Brasil
  • 28/05/2015 14h01

Ministro do Esporte ressaltou o apoio do governo brasileiro às investigações dentro da Fifa

George Hilton

O ministro do Esporte, George Hilton, disse nesta quinta-feira (28) que o governo brasileiro acompanha e apoia a investigação conduzida pelos Estados Unidos e pela Suíça sobre corrupção e fraudes na Federação Internacional de Futebol (Fifa), e que espera que eventuais culpados sejam punidos. Entre os dirigentes da Fifa presos na quarta (27) está o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) José Maria Marin.

“O governo vai acompanhar atentamente todas as investigações, apoiamos [as investigações], e que os eventuais culpados sejam punidos na forma da lei”, disse o ministro que participou, nesta quinta-feira (28), de reunião da comissão geral da Câmara dos Deputados.

Hilton disse que o Brasil sai na frente no momento em que o futebol mundial enfrenta um momento delicado: há no Congresso Nacional uma medida provisória enviada pelo governo para estabelecer práticas de boa governança e modernização do futebol no Brasil. “Entendemos que é bom esse momento, não pelo fato em si, mas porque temos proposta na Casa, que é a medida provisória que busca modernizar o futebol no Brasil com contrapartidas claras para [que] os clubes [possam ter] práticas de boa gestão e governança”, disse o ministro.

O ministro fez referência à Medida Provisória 671, encaminhada pela presidenta Dilma Rousseff ao Congresso, em março, que trata do refinanciamento de dívidas de clubes com a União. A medida provisória propõe medidas para modernizar a gestão financeira e a responsabilidade fiscal dos clubes.

O ministro disse não ter informação sobre se há relação entre as investigações e a Copa do Mundo de 2014, ocorrida no Brasil. Acrescentou que, se houver, o país está aberto a investigações. “Não sabemos ainda. Vamos acompanhar cada caso e, se isso eventualmente aconteceu, estamos abertos para que haja investigação e se esclareça que os culpados sejam punidos como manda a lei”, disse.