Modesto elogia FPF por iniciativa de mudar o futebol e questiona novas ligas

  • Por Jovem Pan
  • 26/10/2015 16h17
SANTOS, SP, 29.05.2015: FUTEBOL-SANTOS - O presidente do Santos FC, Modesto Roma Junior, durante pronunciamento na sala de coletiva da Vila Belmiro em Santos (72 km de São Paulo) nesta sexta-feira (29). (Foto: Ricardo Saibun/Agif/Folhapress)Modesto Roma negou que o Santos esteja negociando a contratação de Paulo Henrique Ganso

O presidente do Santos, Modesto Roma Júnior, participou, nesta segunda-feira (26), de uma reunião na Federação Paulista de Futebol (FPF) na qual a entidade apresentou propostas para mudanças no futebol paulista. Contente com o que viu, o mandatário elogiou a iniciativa e aproveitou para questionar a necessidade da criação de uma liga nacional de clubes para administrar o futebol brasileiro.

“É hora de passarmos para um novo estágio, um estágio de respeito à torcida, aos clubes, aos atletas, ao mercado do futebol. Essa plataforma (da FPF) prega principalmente o respeito a todos em um momento em que o futebol está sendo muito desrespeitado, em que vive uma crise difícil. Mas precisamos superar esse momento e passar para uma nova fase. Não adianta ficar reclamando que o momento está ruim e não fazer nada. A Federação de um primeiro passo para sairmos da fase do futebol da depressão”, disse Modesto.

O dirigente também falou do papel dos clubes nesse processo. “Nós não podemos deixar isso ficar no papel. Cabe a nós, os clubes, serem participativos e fazerem sua parte. A Federação está fazendo a parte dela. Nós não podemos simplesmente ficarmos inertes, no vai da onda, no ‘se a coisa está mal vamos deixar mal, quanto pior melhor’”, pregou. Para ele, os clubes devem fazer isso “tendo participação, falando, discutindo, negociando, juntando esforços com a Federação por um futebol melhor”.

Modesto acredita que a saída para dar mais poder aos clubes não seria criar uma liga nacional, mas melhorar a estrutura das federações e da CBF. “A CBF é organizada pelos clubes, a Federação é organizada pelos clubes. Se você olhar, você vai ver o escudo de todos os clubes que são fundadores da Federação Paulista de Futebol. Então não adianta simplesmente criar uma nova entidade. Você precisa é dar àquelas que existem o respaldo e a seriedade que elas têm que ter”, disse o presidente do Peixe, que lembrou a força do futebol de São Paulo.

“Pode-se criar uma liga eventualmente para alguma coisa? Pode. Só que o futebol paulista é forte o suficiente para se manter, porque nós temos clubes grandes, temos clássicos fantásticos, coisa que não ocorre em outros lugares. Outros lugares precisam se unir para ter um futebol mais competitivo, São Paulo já tem isso”, concluiu.