Mudanças no regulamento “bagunçam” F-1 e complicam vida de Vettel e Red Bull

  • Por EFE
  • 12/03/2014 15h23

Webber completa dobradinha da Red Bull atrás de Vettel

Webber completa dobradinha da Red Bull

As mudanças no regulamento para a temporada 2014 do Campeonato Mundial de Fórmula 1 estão sendo consideradas uma verdadeira revolução que pode acabar com o reinado da Red Bull entre os construtores e do alemão Sebastian Vettel entre os pilotos.

Uma das maiores novidades é a introdução do motor V6 turbo 1.6 litro, que substituem os atuais V8 aspirados 2.4 litros. De olho na redução de gastos das escuderias, a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) decidiu que cada piloto poderá usar no máximo cinco motores na temporada toda, ao invés de oito.

Caso seja ultrapassado esse número, haverá punição de perda de dez posições no grid de largada. Já com relação ás caixas de câmbio, agora será possível fazer seis trocas, contra cinco apontadas anteriormente pelo regulamento.

Vettel, antes mesmo dos testes de temporada, admitiu em janeiro que as mudanças no regulamento técnico da categoria teriam grande impacto, principalmente nas primeiras provas, devido à necessidade de um período de adaptação de pilotagem dos novos carros.

“Acho que provavelmente veremos mais abandonos do que estamos acostumados, pois entendíamos o carro bastante bem. Isso vale para todas as equipes. Agora tudo é novo, então acho que erros vão acontecer para todos”, disse o tetracampeão mundial, em entrevista coletiva no lançamento do Red Bull RB10.

O piloto alemão foi uma das maiores “vítimas” das novidades e da dificuldade da melhor escuderia dos últimos quatro anos, já que mal foi à pista nos primeiros testes realizados em Jerez de la Frontera, na Espanha, e no Bahrein. Somente nos últimos dias de atividade no circuito de Sakhir, a Red Bull conseguiu ir à pista por mais voltas.

Outras novidades para este ano estão no aumento do peso dos carros, de 642 quilos para 690 quilos. Esteticamente, a frente dos carros ficou mais baixa, criando um aspecto de “nariz achatado”. Algumas equipes optaram por soluções um pouco excêntricas, como a Caterham, que ganhou uma espécie de pino no bico.

A mais polêmica das mudanças, no entanto, aconteceu na pontuação das corridas, ou melhor, na da última prova da temporada, que passou a ser dobrada, em uma tentativa de reduzir as chances de o campeonato desembarcar nos Emirados Árabes, para a disputa do Grande Prêmio de Abu Dhabi, decidido.

A distribuição de 25 pontos para o primeiro, 18 para o segundo, 15 para o terceiro, 12 para o quarto, 10 para o quinto, oito para o sexto, seis para o sétimo, quatro para o oitavo, dois para o nono e um para o décimo permanece nas outras 18 provas.

E enquanto se adaptam a todas as mudanças para 2014, os pilotos ainda deveram ficar de olho nos “pontos na carteira”, ou seja, um sistema de penalização por infrações ocorridas em pistas, que serão classificadas de um a três, dependendo da gravidade. Caso acumule 12 pontos, a punição será a suspensão de uma prova. EFE