Muricy pede transparência da diretoria sobre atrasos e elogia Centurión

  • Por Jovem Pan
  • 09/03/2015 10h35
Instagram/Reprodução Técnico são-paulino Muricy Ramalho

Após derrota para o Corinthians no clássico disputado no Morumbi no último domingo, o técnico Muricy Ramalho comentou o atraso de pagamentos no clube e pediu transparência da diretoria. O treinador ainda elogiou o desempenho do argentino Centurión e afirmou que sua equipe precisa de velocidade e profundidade.

Questionado sobre os atrasos no pagamento da premiação dos jogadores pela classificação para a Libertadores que deveria ter sido paga no final da temporada passada, Muricy cobrou sinceridade da diretoria: “Estou há 40 anos no futebol: tem de dizer a verdade, se não gera especulação. Eu trato assim os meus jogadores. É a minha maneira de ser. Não sei dar voltas. Tem de ser direto. Se você promete algo para o jogador é complicado. Precisa esclarecer que é melhor. Todos os clubes estão passando por dificuldade. E aqui ninguém está cobrando nada, porque acontece. É um clube que nesse sentido é tranquilo. Mas é bom esclarecer as coisas. É muita especulação. Quando tenho algo para falar, não escondo”, afirmou.

O treinador são-paulino elogiou a partida feita por Centurión e afirmou que o argentino dá ao time uma característica que faltava: “Tivemos uma surpresa agradável com o Centurión que consertou o lado esquerdo, ele é um jogador que dá profundidade, tem o drible. Isso agradou muito, é importante pra gente porque só jogávamos de um lado e jogamos bem pelo lado esquerdo”.

 “A gente tem uma dificuldade muito grande. Não temos velocidade e hoje o futebol é de muita velocidade; a gente cadencia muito. Nosso time é muito técnico, mas na hora de chegar perto da área, não tem profundidade”, disse o treinador são-paulino que, ao falar do ataque tricolor, voltou a elogiar Centurión: “único jogador que deu profundidade hoje foi o Centurión, ele tem o drible e tem um pouco de velocidade”, completou.

Muricy ainda comparou o futebol jogado pela sua equipe nos dois clássicos disputados contra o Corinthians no ano e disse ter visto evolução no jogo de ontem: “melhoramos bastante, não tinha como jogar como jogamos contra o Corinthians na outra vez. A gente apertou, trocamos passes, fizemos o goleiro trabalhar. Lá ele não trabalhou, hoje pegou até pênalti. Claro que a gente não pode se conformar porque perdemos o jogo, mas alivia um pouco e dá esperança para as finais, que aí sim vai valer alguma coisa”, explicou o técnico tricolor.