Muricy se entristece com morte e lembra visita ao Barça: “citavam o Cruyff sempre”

  • Por Jovem Pan
  • 24/03/2016 13h34

Muricy Ramalho fez intercâmbio no Barcelona no ano passado e visitou La Masia Reprodução Muricy Ramalho fez intercâmbio no Barcelona no ano passado e visitou La Masia

Durante o período em que ficou sem emprego, Muricy Ramalho aproveitou o tempo livre para fazer um intercâmbio no Barcelona. Mais precisamente em outubro do ano passado, o técnico visitou a sede do clube catalão e conheceu a fundo a casa do time blaugrana de base: La Masia. 

Ela é nada menos que um dos muitos legados deixados por Johan Cruyff ao Barcelona. O holandês, que morreu nesta quinta-feira, na capital da Catalunha, fez história como jogador e técnico do time azul-grená e praticamente desenvolveu a filosofia de jogo que hoje encanta o planeta sob a execução de MessiNeymarSuárez e Iniesta. 

Nesta quinta-feira, Muricy Ramalho conversou com Flávio Prado e Wanderley Nogueira durante o Jornal de Esportes, da Rádio Jovem Pan, e destacou a importância de Cruyff para o Barcelona. “Eles são muito gratos ao Cruyff. Eu sei porque estive lá recentemente“, afirmou Muricy. 

O pessoal de La Masia está lá para defender essa filosofia criada pelo Cruyff. Foi ele quem começou a mudar a forma de o Barcelona jogar. Os espanhóis jogavam muito com a questão da Fúria, da força. Quando eu conversava com o pessoal mais antigo lá na minha visita ao Barcelona, o Cruyff era citado o tempo todo“, revelou o treinador brasileiro.

Muricy ainda exaltou a inteligência de Cruyff. Como contou Marinho Peres também em entrevista exclusiva à Jovem Pan, o holandês tinha uma noção tática absurda e, quase sempre, trocava de posição durante as partidas para ajudar o trabalho de sua equipe e dificultar a marcação adversária. O atual treinador do Flamengo elegeu essa característica como o grande diferencial do ídolo holandês. 

“Hoje é um dia um pouco triste, porque o futebol mundial perde um fora de série. Um desses caras que aparecem e são diferentesEle era muito inteligente para jogar. Tem caras que jogam sempre igual. Ele não. Ele se adaptava às circunstâncias do jogo e mudava a forma de o time atuar”, finalizou Muricy, já bastante saudoso do craque europeu.