Não foi 7 a 1, mas nós já goleamos os alemães; relembre a partida de 1999

  • Por Jovem Pan
  • 06/07/2015 20h08
Futebol - Copa das Confederações, 1999 - Brasil 4 X 0 Alemanha: Zé Roberto comemora seu gol, o primeiro do Brasil. (Foto: Ormuzd Alves/Folhapress) Folhapress Zé Roberto

Para os mais novos, pode até ser difícil imaginar o Brasil goleando a Alemanha, tamanha a repercussão do 7 a 1 há exato um ano, em 8 de julho de 2014, na Copa do Mundo. No entanto, além de vencer os germânicos na final da Copa de 2002, a Seleção os goleou por 4 a 0 na primeira fase da Copa das Confederações de 1999, realizada no México.

Presente naquela partida, Vampeta relembra o sofrimento dos adversários com o calor. “Os jogos eram a uma da tarde, 11h da manhã. Naquele dia estava um sol que os alemães pareciam que estavam andando quando passávamos por eles, parecia que tinham tomado chá de cogumelo – apesar que eu nunca tomei (risos). Eles estavam muito apáticos”, disse o ex-volante.

Aquele time da Alemanha contava com craques como Lothar Matthäus, campeão do mundo em 1990, o meia Ballack, e Miroslav Klose, autor de dois gols no 7 a 1. “Eles tinham um time forte, e a gente atropelou, 4 a 0 foi pouco. Fiquei radiante porque ganhamos do Lothar Matthäus, que tinha sido campeão do mundo em 1990, e o Beckenbauer disse que foi o maior vexame do futebol alemão”, afirmou o comentarista da Rádio Jovem Pan.

A partida foi a estreia das duas seleções no torneio. Zé Roberto, hoje jogador do Palmeiras, abriu o placar já no segundo tempo, Ronaldinho ampliou e Alex marcou mais dois nos minutos finais para decretar a goleada. Os alemães perderam também para os Estados Unidos e acabaram sendo eliminados na primeira fase. Já o Brasil chegou até a final, onde foi derrotado pelo México por 4 a 3.

Para o velho “Vamp”, a temperatura não foi o bastante para segurar os alemães em 2014. “Depois daquele 4 a 0 começaram a se adaptar melhor à temperatura mais quente (risos). Lembro que na época olharam muito pra isso, o horário do jogo. A temperatura estava muito quente”, brinca. “Acho que o Barbosa está no céu dizendo: ‘graças a Deus vão esquecer de mim e lembrar dessa turma de 2014’”, finalizou o ex-jogadores de Corinthians e Flamengo, lembrando o goleiro que ficou como culpado pela derrota do Brasil na final da Copa de 1950.