“Não há uma solução fácil”, diz Valcke sobre Arena da Baixada

  • Por Agência EFE
  • 23/01/2014 17h49

Jérôme Valcke (cen.)Jérôme Valcke

Os atrasos nas obras na Arena da Baixada, em Curitiba, vêm se tornando uma dor de cabeça cada vez maior para a Fifa, que admitiu nesta quinta-feira, através do secretário-geral, Jerome Valcke, que teria problemas para tirar o estádio da lista das sedes do torneio.

“Estamos pedindo que muitas coisas sejam feitas ao mesmo tempo no estádio, quando ainda estamos trabalhando na própria construção. É um desafio, mas também seria um desafio para a Fifa deslocar (para outros estádios) esses jogos. Não existe uma solução fácil”, admitiu Valcke em entrevista coletiva concedida no Rio de Janeiro.

Caso Curitiba seja excluída, a Fifa terá que reprogramar quatro jogos da primeira fase da Copa, para os quais já foram vendidos ingressos. A entidade deu um ultimato à cidade devido ao atraso nas obras no estádio e definirá a situação do local no dia 18 de fevereiro.

Após uma reunião realizada nesta quinta por autoridades e responsáveis pelas obras, o secretário-executivo do Ministério do Esporte, Luis Fernandes, também presente na coletiva, garantiu que o estádio será reformado a tempo.

O acordo obtido estabelece que a obra seja dirigida por um comitê integrado por “pessoas com experiência em obras complexas”, de acordo com Fernandes. Ficou definida ainda a intensificação dos trabalhos, além da apresentação de soluções financeiras para que não faltem recursos.

Sobre os outros quatro estádios ainda em obras, os organizadores do Mundial mostraram total confiança. O único problema será a necessidade de trocar o gramado da Arena Pantanal, em Cuiabá, já que o atual foi danificado por uma praga.