No Mixto, Ruy dispara contra árbitro e CBF: “futebol brasileiro é uma ilusão”

  • Por Jovem Pan
  • 17/04/2014 07h46
Gabriel foi o principal destaque do alvinegro praiano na partidaSantos derrota Mixto por 3 a 0 e avança na Copa do Brasil

A classificação do Santos após vitória sobre o Mixto por 3 a 0, na Vila Belmiro, pela Copa do Brasil, acabou ficando de lado ao final da partida. Camisa dez da equipe mato-grossense, Ruy “Cabeção”, ex-Fluminense, Grêmio e Botafogo, criticou a atuação do árbitro Bráulio da Silva Machado e disparou contra os dirigentes do futebol brasileiro a quem chamou de “cambada de incompetentes”. Segundo ele, após cair no torneio nacional, os jogadores do Mixto estão todos desempregados devido ao “pífio” calendário do futebol brasileiro. O experiente meio campo de 36 anos desabafou e contou episódios lamentáveis que já presenciou fora dos grandes centros do nosso futebol.

► Concorra ao livro “Libertadores – Paixão que nos une”

Ruy começou seu desabafo detonando o árbitro catarinense, que marcou um pênalti polêmico em favor do Santos quando a partida ainda estava 1 a 0 para o Peixe. “A arbitragem, em geral, no Brasil está de boa vontade, nós sabemos. Mas penso que o respeito tem que partir do árbitro. Em um momento do jogo, o juiz chamou nosso camisa nove de “filha de p…”. Não é porque a gente veste uma camisa de uma agremiação que não tem a mesma repercussão do Santos que merecemos esse tratamento, no Mato Grosso o Mixto tem a maior torcida do estado. Desde o início do jogo existiu dois pesos e duas medidas”, afirmou. 

O meia lamentou muito a desclassificação de sua equipe e revelou que todos os jogadores precisarão buscar outros empregos, já que a equipe mato-grossense ficará ociosa por muito tempo no ano. “Um a zero para o Santos era um bom resultado para o Mixto porque o empate com gols nos classificava. A partir do momento que ele fez essa covardia de marcar esse pênalti, aí nos tirou totalmente do jogo. Só que esse diabo desse juiz não tem noção que esse calendário do futebol brasileiro é uma covardia. Não sei o que esses caras da CBF fazem lá em cima, eles não sabem que mais de 500 mil desse atletas vão para casa desempregados. Esse juiz não, esse cara vai continuar trabalhando no Campeonato Brasileiro”, disparou.

Ele pediu para que a imprensa nacional se una para expor a situação precária do futebol brasileiro fora dos grandes centros”Para o pessoal da CBF não vai faltar pão e café no café da manhã porque eles estão sentados em cima de uma máquina de dinheiro, só que eles são uma cambada de incompetentes que não consegue fazer um calendário digno para esse país. Futebol e política nesse país andam juntos. Hoje o time do Mixto tá todo desempregado, amanhã vai ter cara que vai trabalhar como porteiro e os caras da CBF não estão aí para esse tanto de família. Não falam que o gigante está acordando? A imprensa paulista, carioca e mineira têm que andar juntos. Nosso futebol não pode chegar nessa decadência. Hoje os grupos de investidores tomam conta do futebol, botam jogadores onde querem e estão cagando e andando para o torcedor”, lamentou. 

Com passagens por Botafogo, Fluminense e Grêmio, o jogador diz ter conhecido a realidade do nosso futebol apenas no final da carreira. “Joguei mais de dez anos na Série A e o futebol é uma ilusão. Há dois anos que eu conheço a realidade do esporte. Passei no Norte onde os meninos viviam de quentinha e eram ameaçados pelo presidente”, desabafou.