No sufoco, Brasil se recupera no fim, empata e evita vexame contra o Paraguai

  • Por Jovem Pan
  • 29/03/2016 23h45
EFE O Brasil passou muitas dificuldades diante do Paraguai

Se décadas atrás era quase certeza de vitória, atualmente os duelos contra o Paraguai têm sido verdadeiros desafios para a Seleção Brasileira. Em Assunção, diante do time que o eliminou nas duas últimas edições da Copa América, a equipe comandada por Dunga, sem Neymar e David Luiz, novamente encontrou um adversário à altura nesta terça-feira (29), pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018. Mas se faltou organização para criar e se defender, não faltou dedicação à Seleção para, depois de sair perdendo por dois gols, buscar um improvável empate por 2 a 2 nos minutos finais.

O Brasil até teve a primeira boa chance, com Willian recebendo na entrada da área para chutar por cima depois de driblar a marcação. No entanto, esta foi uma falsa previsão do que aconteceria dali em diante. Destemido, o Paraguai conseguiu se impor, especialmente pelo jogo aéreo. Aos 17 minutos, Benítez cobrou falta para área e Aguilar cabeceou para grande defesa de Alisson.

Na sequência, a jogada se repetiu, só que Gomez apareceu livre para aproveitar a cabeçada de Aguilar e obrigou o goleiro do Internacional a fazer um verdadeiro milagre no chute à queima roupa. O sufoco seguiu e Daniel Alves teve de aparecer para cortar cruzamento que chegaria em Benítez. A Seleção tentou reagir com finalizações de fora da área de Renato Augusto e Douglas costa, mas assustou o adversário quando Willian cruzou rasteiro da direita e Ricardo Oliveira soltou uma bomba para acertar o travessão.

Quando o Paraguai já não pressionava tanto, conseguiu encaixar seu melhor ataque. Em um contra-ataque bem armado, Benítez recebeu nas costas de Daniel Alves e cruzou. A bola atravessou a área e ficou limpa para Lezcano, livre pela direita, bater de primeira e abrir o placar. No último lance do primeiro tempo, Ricardo Oliveira girou na área e chutou forte, mas mandou a bola por cima do gol.

Dunga ousou na substituição do intervalo ao colocar Hulk no lugar de Fernandinho, deixando o time mais ofensivo. Mas quem mostrou poder de fogo foram os paraguaios. Em nova jogada bem construída, Roque Santa Cruz saiu de três marcadores pela direita e passou para Ortiz. Este, por sua vez, encontrou Benítez com espaço na área e fez o passe, deixando o meia em condições de dominar para sair da marcação de Daniel Alves e finalizar na saída de Alisson.

Quando o Brasil conseguiu balançar as redes, em cabeçada de Gil depois de cobrança de escanteio, o árbitro apitou corretamente a falta cometida pelo zagueiro e anulou o lance. As outras tentativas não terminaram bem por conta da extrema falta de pontaria de finalizadores de qualidade, como Renato Augusto e Ricardo Oliveira, que não conseguiam acertar o pé. O centro-avante só conseguiu se recuperar quando Hulk arriscou uma pancada de longe, Justo Villar soltou e ele apareceu para conferir no rebote.

O gol animou a Seleção Brasileira, que se lançou ao ataque na reta final da partida. O Paraguai se limitou a ficar na defesa, uma estratégia que se mostrou equivocada. Aos 46 minutos do segundo tempo, Willian rolou para Daniel Alves, que dominou na área e bateu de forma precisa com a perna esquerda para acertar o canto direito de Villar e deixar tudo igual.

Apesar do empate conquistado de forma heróica, o Brasil não está em boa situação nas Eliminatórias. Com apenas oito pontos, ele ocupa a sétima colocação na tabela, enquanto o Paraguai está em terceiro, com 11 pontos. E essas posições se manterão pelo menos até 2 de setembro, quando acontecerá a sétima rodada. Nela, a Seleção visitará o Equador, enquanto o Paraguai receberá o Chile.