Nobre projeta ano bom para Palmeiras: “time de 2015 será melhor que o de 2014”

  • Por Jovem Pan
  • 09/12/2014 17h41

O presidente do PalmeirasPaulo Nobre

Recentemente reeleito para mais dois anos à frente da presidência do Palmeiras, Paulo Nobre concedeu entrevista coletiva na tarde desta terça-feira (9) para falar sobre o planejamento do clube para a temporada 2015.

Após confirmar a demissão de Omar Feitosa, gerente de futebol, de José Carlos Brunoro, diretor-executivo, e do técnico Dorival Júnior, o mandatário alviverde falou sobre Alexandre Mattos, ex-diretor de futebol do Cruzeiro, e não negou interesse no profissional, mas desconversou acerca de uma possível contratação do dirigente.

“Existem bons profissionais no mercado, o Alexandre Mattos é um bom nome e interessa não só ao Palmeiras. O departamento de futebol será formado por um diretor-executivo, um gerente de futebol e um diretor estatutário. Vamos escolher nos próximos dias”, assegurou. “Durante a campanha, no fim do Brasileiro, deixei muito claro que todos os profissionais seriam avaliados. Foi isso que aconteceu (com Dorival) e achamos por bem uma mudança total. Como presidente e torcedor, quero um técnico que consiga nos conduzir a vitórias e títulos. Mas isso será debatido com o pessoal do futebol como um todo”, prosseguiu, sem descartar Mano Menezes como uma opção.

Paulo Nobre frisou que o Verdão será formado para brigar por títulos, mas exaltou a postura de responsabilidade financeira que tanto marca seu discurso.

“O Palmeiras está sendo formado para disputar títulos, ser protagonista, como faz parte da sua história. Alguns falam bom e barato. Garanto que barato esse elenco não é. Vamos ter um elenco dentro das possibilidades financeiras, e o clube hoje tem uma situação financeira muito melhor nesse novo biênio. Dá para imaginar que você tenha mais capacidade financeira para investir”, observou. “O Palmeiras não vai gastar mais do que arrecada. A responsabilidade continua, só que os horizontes são mais amplos”, falou o presidente.

Em relação aos possíveis jogadores dispensados e aos atletas que vão continuar no clube, Nobre disse que é preciso esperar a definição dos novos profissionais de futebol para tratar desse tema.

“Vamos esperar o novo treinador, o novo diretor, o novo gerente para a gente fazer essa avaliação em conjunto”, apontou. “A função do Brunoro era ser um CEO. A ideia é que o novo profissional fique só no futebol. Num primeiro momento, a função do Brunoro vai ser extinta. Faz parte da profissionalização. Não foge do radar que o Palmeiras tenha um CEO futuramente, mas a gente entende que é necessário preparar melhor o terreno”, prosseguiu.

Paulo Nobre falou sobre os momentos difíceis pelos quais o Palmeiras passou no ano de seu centenário e disse que nunca passou pela sua cabeça a possibilidade de ter uma gestão tão complicada em termos de resultados.

“Foram momentos de angústia. Confesso que nem no pior dos meus pesadelos eu imaginei chegar à presidência e ficar flertando com a Segunda Divisão. Fazendo uma avaliação geral, da gestão como um todo, houve erros e acertos. Você tem que avaliar com calma, manter o que deu certo e ter humildade para trocar uma porção de processos, não só pessoas, para não passar mais pelo que passou”, observou. “As mudanças já começaram e vão ter várias outras. Tenho certeza que o time de 2015 será melhor que o de 2013 e o de 2014”, finalizou.