Organizadas entram em conflito com policiais e torcedores no Morumbi; briga tem detidos e feridos

  • Por Jovem Pan com AE
  • 07/07/2016 07h56

Dois dos 10 torcedores detidos pela PM nos arredores do Morumbi após derrota do São Paulo na Libertadores

AE - Dois dos 10 torcedores detidos pela PM nos arredores do Morumbi após derrota do São Paulo na Libertadores

Torcedores do São Paulo entraram em conflito entre si e com policiais militares na noite desta quarta-feira e madrugada de quinta (07) após a derrota do time brasileiro por 2 a 0 para o Atlético Nacional, da Colômbia, pela Copa Libertadores.

A Polícia Militar alega que a organizada estava assaltando e agredindo torcedores comuns e ambulantes na saída do estádio. Dez pessoas foram detidas, passaram a noite no 89º Distrito Policial do Morumbi onde prestaram depoimento, e todos já foram liberados. Eles foram autuados na Central de Flagrantes e vão responder, porém, por dano qualificado (duas viaturas da PM foram danificadas) resistência, lesão corporal e tumulto – este último, de acordo com o Estatuto do Torcedor.

A Polícia informou ainda que 15 policiais ficaram feridos durante a briga, mas todos foram medicados e liberados do hospital, registrou o repórter JP Fernando Martins na manhã desta quinta.

PMs tentam controlar tumulto nas ruas próximas ao estádio (Vanessa Carvalho/AE)

De três dos cinco torcedores feridos pela confusão que o ambulatório do Morumbi recebeu ainda no início da madrugada, dois haviam sido atingidos por balas de borracha e um estava com corte no pé.

Jogadores

Devido à confusão, os jogadores do São Paulo deixaram o estádio com mais de uma hora de atraso. Os familiares dos atletas, que os encontrariam no Morumbi, não puderam se aproximar do estádio devido à confusão. Diferente do que acontece normalmente, os jogadores foram orientados a não deixarem o estádio em carros particulares. Segundo o repórter Márcio Spimpolo, essa medida não é habitual. Assim, os jogadores foram de ônibus ao CCT da Barra Funda e, de lá, se dirigiram às suas residências.

Torcedor “modinha”

A Polícia Militar informou ainda que o confronto foi iniciado por torcedores que não estavam dentro do estádio. Ao menos três torcedores que testemunharam a briga ouvidos pela Jovem Pan, além de um redator do site que se encontrava no jogo, relatam que membros de organizadas atacaram outros são-paulinos que eram classificados de “torcedor de modinha” com furtos e agressões verbais e físicas. Desde antes de o jogo terminar, ainda nas arquibancadas, o clima era tenso entre membros da Independente e torcedores comuns que acompanhavam a derrota tricolor.

Na Avenida Jules Rimet, um dos acessos ao estádio do Morumbi, houve tiros de borracha e bombas de gás lacrimogêneo atiradas contra torcedores que deixavam o estádio. Os policiais chegaram até mesmo a entrar em um estacionamento na rua para ir atrás de são-paulinos que faziam arruaças pela região.

Os torcedores estavam revoltados com a derrota da equipe, que não jogou bem e caiu no segundo tempo após a expulsão do zagueiro Maicon. Com o resultado negativo, que deixa o São Paulo com remotas chances de classificação, os são-paulinos deixaram o estádio descontando a raiva no que viam pela frente. Quebraram carros dos próprios torcedores e atiraram pedras e garrafas contra os policiais.

O jogo de volta pela semi-final da Libertadores da América acontece na próxima quarta-feira, no Estádio Atanasio Girardot, em Medellín, na Colômbia. Enquanto isso, o São Paulo corre o risco de ser prejudicado pela atitude de parte das organizadas e acabar punido tanto pela Conmebol, quanto pelo Ministério Público.

Cena de destruição após briga nos arredores do estádio, que estava lotado de torcedores comuns, a maioria famílias, que ficaram aterorizados com as cenas de violência (Vanessa Carvalho/AE)

Curiosamente, a torcida do São Paulo protagonizou uma bela festa antes do jogo. Um “corredor polonês” foi feito para recepcionar o time, com muitos gritos de incentivos e sinalizadores. Havia 61 mil pessoas no Morumbi incentivando do começo ao fim. Mas o resultado negativo transformou a empolgação em revolta.

Com Estadão Conteúdo