Oswaldo de Oliveira projeta clássico ofensivo e alerta Palmeiras

  • Por Jovem Pan
  • 10/03/2015 18h30

O técnico Oswaldo de Oliveira crê que duas equipes terão esquemas ofensivos nesta quarta

Oswaldo de Oliveira

Na véspera do clássico contra o Santos, o técnico Oswaldo de Oliveira concedeu entrevista coletiva na Academia de Futebol e projetou o duelo contra seu ex-time. Para o comandante alviverde, demitido do clube da Baixada Santista em setembro do ano passado, a característica ofensiva dos santistas vai proporcionar mais espaço para o Verdão, que tem que saber aproveitar as chances no ataque.

“Conheço a maioria dos jogadores do Santos. Nenhuma das duas equipes mudará a maneira de jogar, as duas jogarão de forma ofensiva e procurando o gol. No ano passado, o encontro entre Santos e Palmeiras foi um grande jogo, e o Palmeiras era o melhor time do campeonato. Foi um jogo com três gols, muitas alternativas de ataque dos dois e amanhã (quarta) será da mesma forma. A Vila Belmiro terá uma grande partida de futebol”, declarou o treinador.

Para Oswaldo, o Palmeiras precisa ter muita cautela para atuar contra o Santos, sobretudo fora de seus domínios.

“Todo cuidado é pouco, com o Santos com aquela meninada e com o Santos na Vila Belmiro. Mas acho que a melhor defesa é o ataque, não podemos pensar que, por o Santos ser ofensivo, nós temos de ficar na defensiva. A melhor maneira de neutralizar o Santos é ser ofensivo também. Logicamente que os cuidados defensivos devem ser muito reforçados. Quando joga com Robinho, Ricardo Oliveira, Geuvânio, Lucas Lima, Gabigol, Renato, Cicinho, David Braz, quando vai para a área… Temos de ter cuidado”, alertou.

O atacante Gabriel Jesus também foi um dos assuntos da coletiva e Oswaldo frisou que o atleta ficará no banco de reservas.

“Tivemos uma contusão inesperada e o levarei. Ele reagiu muito bem depois do jogo de domingo, e amanhã (quarta) ele estará no banco contra o Santos”, assegurou, antes de falar sobre sua postura em relação ao jovem atacante. “Isso é natural, sempre tem essa avidez com jogadores que estão sendo lançados. Procuro pegar mais leve, isso é natural, e tudo no futebol acontece naturalmente.  Não fico criando expectativa. Se o Gabriel passar pelas fases que tem de ultrapassar, ótimo, mas, se não acontecer, vejo com naturalidade”, finalizou.