Brasil é ouro no revezamento e quebra recorde mundial de piscina curta

  • Por Jovem Pan
  • 14/12/2018 13h06
Satiro Sodré/SSPress/CBDAEquipe brasileira superou Rússia e China por pouco

O desempenho do Brasil em provas individuais está discreto no Mundial de natação em piscina curta. Mas as equipes de revezamento do país estão brilhando em Hangzhou, na China. Nesta sexta-feira (14), o time nacional surpreendeu na disputa masculina do 4×200 metros livre ao faturar a medalha de ouro e ainda quebrar o recorde mundial da prova, com a marca de 6min46s81.

O quarteto do Brasil na final foi formado por Luiz Altamir, Fernando Scheffer, Leonardo Santos e Breno Coreia e triunfou com uma vantagem de apenas 0s03 para o time da Rússia, a segunda colocada, com 6min46s84. E a China completou o pódio ao cravar 6min47s53.

Com a equipe nadando quase sempre abaixo da linha do recorde mundial Luiz Altamir iniciou a prova em ritmo forte e liderou a disputa em praticamente todos os primeiros 200 metros. Depois, Scheffer completou a sua participação em primeiro lugar, mas Santos encontrou mais dificuldades no duelo com chineses e russos. Só que Breno Correia teve desempenho espetacular no fim para assegurar a medalha de ouro nos 200m finais.

O resultado pode ser considerado surpreendente, pois o Brasil havia avançado para a final na sexta posição, sendo que o quarteto acabou sendo trocado para a briga com a medalha, com Leonardo de Deus cedendo a sua vaga para Leonardo Santos. Mas conseguiu bater os favoritos Rússia, China e Estados Unidos, com uma equipe jovem – o mais velho é Leonardo Santos, de 23 anos.

A conquista emocionou os brasileiros, que choraram nas primeiras declarações após o feito alcançado. “É um sonho que todo mundo queria. A gente conseguiu”, disse Altamir, chorando, e bastante rouco, em entrevista ao SporTV. “Isso mostra que esta nova geração está para arrebentar”, acrescentou.

A medalha desta sexta-feira foi a segunda obtida pelo Brasil nesta edição do Mundial. Antes, a equipe nacional levou o bronze na disputa do 4×100 metros livre, com um quarteto que também contava com a presença de Cesar Cielo.

“É muita satisfação. O Brasil mostra mais uma vez que é forte no revezamento. Fomos bem no 4x100m livre e agora também. O nosso time tem a chance de mesclar atletas veteranos com os mais novos Isso é muito importante e reflete nesse resultado”, celebrou Breno.

Com Estadão Conteúdo