Basquete: Ex-dirigente da CBB morre em decorrência da covid-19

  • Por Jovem Pan
  • 25/05/2020 17h32
DivulgaçãoÉdio Alves trabalhou por 55 anos na CBB

Édio Alves, membro da Confederação Brasileira de Basquete (CBB) por mais de cinco décadas, morreu nesta segunda-feira, 22, aos 88 anos, vítima do novo coronavírus. Ele foi funcionário da entidade de 1962 a 2017, e passou por diversos cargos, entre eles, o de Secretário-Geral.

Édio acompanhou todas as grandes conquistas do Brasil na modalidade, como o título Mundial feminino em 1994 e o Mundial masculino em 1963. Em nota publicada nas redes sociais, a Confederação agradeceu ao ex-colaborador.

Presidente da Confederação Brasileira de Basketball, Guy Peixoto lamentou a morte de Édio. “Seu Édio foi um dos maiores responsáveis pelo basquete brasileiro por 55 anos, grande parte da história da CBB. Uma pessoa humana, séria, educada, sensível. Que representava o basquete brasileiro internamente. Todas as pessoas sabem a sua importância. Um grande executivo, antes mesmo de se usar essas palavras nesse meio. Uma figura fantástica.”

Márcia Marinho, funcionária da CBB por 33 anos, lembra com carinho da figura do ex-dirigente. “Eu brincava com ele, dizia que ele entrou na CBB antes para preparar a minha entrada 20 anos depois. Edio é uma pessoa que entrou na CBB para ajudar, como ele dizia. Trabalhava no antigo Instituto Félix Pacheco, e compartilhava as suas tardes na CBB, na antiga sede no Edifício Avenida Central, e acabou ficando por 55 anos”, conta.

“A sua presença foi uma vitória para muitos, a sua dedicação ao basquete nos fez amar muito esse esporte. Uma pessoa íntegra, amigo e que conquistou muitos e sempre nos dava sua sabedoria, dizíamos que ele era o acervo vivo da CBB. Tudo que precisávamos saber, ele tinha resposta. A sua sabedoria e dedicação nos ensinou muito. Eu aprendi muito com ele, com o melhor. Eu tenho muita gratidão. Fez muitos amigos e era uma pessoa muito amada por todos. Vá em paz meu grande e muito amado amigo”, completa.