Maior campeão olímpico, Phelps vive desafio de nadar contra tubarão branco

  • Por EFE
  • 11/07/2017 16h55 - Atualizado em 11/07/2017 17h04
Desafio de Phelps com o tubarão foi gravado na costa da Cidade do Cabo, na África do Sul

O ex-nadador Michael Phelps, dono do maior número de medalhas olímpicas em toda a história, teve um dos grandes desafios da carreira ao nadar contra um tubarão branco para o canal Discovery. Em entrevista coletiva nesta terça-feira (11), o norte-americano revelou que muitas pessoas o chamaram de louco pelo que fez.

“A experiência foi sem dúvida um grande desafio”, afirmou Phelps, que não pensou em vencer o duelo, mas sim interagir com o animal. “A intenção era comparar, nadar com eles e aprender como vivem. Muitos acreditam que estou louco por submergir-me na água para fazer isso, mas tive todas as medidas de segurança na água e me senti muito seguro o tempo todo”, afirmou.

O dono de 23 ouros olímpicos, agora aposentado, enfrentou o maior predador dos oceanos em uma corrida única que foi gravada na costa da Cidade do Cabo, na África do Sul, e que vai ao ar no próximo dia 24 no Brasil. A prova particular aconteceu em águas abertas, a apenas 13 graus celsius.

Após ver o tubarão branco, que pode alcançar 40 Km/h, em ação, Phelps declarou que gostaria de ter a capacidade do animal de girar em ângulo fechado e nadar em qualquer direção, além da explosão. “As minhas largadas não eram muito boas, se eu tivesse um pouco mais dessa explosão teria sido incrível”, comentou o multicampeão.

Phelps revelou que quando foi convidado para participar da chamada Shark Week (Semana do Tubarão) do Discovery, aceitou imediatamente. Dois especialistas o ensinaram a mergulhar e ficar embaixo da água com os animais. “Fiquei com 15 deles a apenas 30 centímetros e consegui manter a calma”, comemorou.

Por fim, a lenda americana falou que o melhor de sua experiência foi aprender sobre esses animais e ajudar a desmontar mitos relacionados a eles. “Quero que as pessoas entendam que eles não são tão impiedosos e ferozes como se acredita”, salientou.