Presidente do Corinthians critica torcida única: “STJD não resolverá a violência”

  • Por Estadão Conteúdo
  • 11/07/2017 20h45 - Atualizado em 11/07/2017 21h03
Agência Corinthians Para Roberto de Andrade, torcida única não resolve o problema da violência nos estádios

O presidente do Corinthians, Roberto de Andrade, criticou duramente o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) nesta terça-feira (11), na véspera do duelo contra o Palmeiras no Allianz Parque, e reclamou do fato de ter mais um clássico em São Paulo com torcida única. O dirigente corintiano chamou de demagogia as punições aos clubes e pediu maior rigor da lei para quem comete violência.

“A violência não está somente na arquibancada, mas em todo o País, em toda a esquina. Isso (punição) é uma demagogia grande. O corintiano é obrigado a ficar em casa e não pode nem andar na rua por causa disso. Gostaria que alguém me explicasse em que isso resolveu o problema”, disse o dirigente, em entrevista coletiva no CT Joaquim Grava.

Roberto de Andrade diz que continua tentando reverter a punição de clássicos em torcida única, mas ainda não obteve sucesso. “O STJD não vai resolver a violência. Tem que atacar a violência com punição a quem faz o ato. Imagens é o que não falta. Todo mundo vê o que acontece. Quando se quer, conseguem tomar uma atitude séria”, completou.

Na partida contra a Ponte Preta, na última rodada, o Setor Norte do Itaquerão foi fechado como punição pelo fato de torcedores usarem sinalizadores no estádio. “Bloquear o Setor Norte mudou em quê? O torcedor vai e compra em outro setor. Isso é um ‘me engana que eu gosto’, é demagogia. Só prejudica o clube na parte financeira”, reclamou.

O dirigente, ao lado do técnico Fábio Carille, aproveitou a entrevista coletiva para agradecer aos torcedores que foram até a porta do CT para manifestar apoio aos atletas.

“Agrega bastante. Incentivo nunca é demais e o Corinthians vive um momento legal dentro e fora de campo. A torcida reconhece isso e vem dar apoio na véspera do clássico. Sei que todos gostariam de estar lá amanhã (quarta-feira), mas o futebol não é como a gente quer. Não sou eu que faço as normas. Gostaria de vê-los nas arquibancadas, mas como não é possível, eles são bem-vindos aqui”, disse o presidente.

Carille também agradeceu a manifestação. “É muito importante ter esse apoio neste momento. Isso nos fortalece muito neste ano, que está sendo maravilhoso”, comentou o treinador, que fará nesta quarta-feira (12) seu primeiro jogo como treinador no Allianz Parque.