Rússia é banida de Olímpiadas e Mundiais durante quatro anos; entenda

  • Por Jovem Pan
  • 09/12/2019 09h21 - Atualizado em 09/12/2019 09h24
EFEDzagoev deixou a partida entre Rússia e Arábia Saudita contundido

A Wada (Agência Mundial Antidoping) definiu nesta segunda-feira (9) banir a Rússia dos próximos grandes eventos esportivos durante quatro anos. Desta forma, o país europeu não participará dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 e de inverno de Pequim 2020, além de Mundiais de todas as modalidades, incluindo a Copa do Mundo de 2022, que será realizada no Catar.

A justificativa do órgão é de que a Rússia falsificou dados dos controles entregues à Wada. “A forte decisão da ExCo (Comitê executivo) de hoje mostra a determinação da WADA de agir resolutamente diante da crise russa de doping, graças à capacidade investigativa robusta da Agência, à visão da CDC e à capacidade adquirida recentemente pela WADA de recomendar sanções por meio do Padrão de Conformidade, que entrou em vigor em abril de 2018. Combinados, esses pontos fortes permitiram ao ExCo tomar as decisões corretas no momento certo”, escreveu Craig Reedie, presidente da Agência, em comunicado.

Apesar da decisão, a Rússia deverá recorrer no TAS (Tribunal Arbitral do Esporte) para tentar reduzir a pena. Além disso, atletas russos que não foram pegos no doping poderão participar dos eventos sob a bandeira neutra.

“Por muito tempo o doping russo prejudicou o esporte limpo. A violação flagrante pelas autoridades russas das condições de restabelecimento da Rusada (Agência Antidoping da Rússia), aprovadas pelo Comitê Executivo em setembro de 2018, exigiu uma resposta robusta. É exatamente isso que foi entregue hoje. A Rússia teve a oportunidade de colocar sua casa em ordem e voltar a se juntar à comunidade internacional antidoping para o bem de seus atletas e a integridade do esporte, mas optou por continuar na sua posição de fraude e negação”, afirmou Reedie.

“Como resultado, o Comitê Executivo da Wada respondeu nos termos mais fortes possíveis, protegendo o direito dos atletas russos, que podem provar que eles não estavam envolvidos e não se beneficiaram desses atos fraudulentos – afirmou em nota Craig Reedie, presidente da Wada”, continuou o mandatário.

Vale lembrar que os russos já competiram como atletas neutros no Mundial de atletismo deste ano, no de natação e também no de ginástica artísticas.