Pai de Kardec nega comissão e diz não saber se há acerto oficial com Benfica

  • Por Jovem Pan
  • 21/04/2014 16h40

O atacante Alan Kardec quer garantir o título da Série B já neste sábado Folhapress Alan Kardec treina no CT da Barra Funda

Diante de todo o imbróglio na negociação para renovação do contrato do atacante Alan Kardec com o Palmeiras, o pai do atleta e responsável por agenciar o filho, também chamado Alan Kardec, falou com a Rádio Jovem Pan para esclarecer diversos pontos referentes às tratativas.

Concorra ao livro “Libertadores – Paixão que nos une”

O pai do jogador se mostrou incomodado e preocupado com a demora para se chegar a um acordo com o clube de Palestra Itália, mas deixou claro que deseja que seu filho permaneça no alviverde paulista.

“Na realidade continua tudo na mesma. Tem chegado algumas propostas, de alguns clubes, e a gente começou a avaliá-las, já que infelizmente não tivemos um desfecho. Estamos aguardando desde 20 de fevereiro, quando chegou a primeira proposta de renovação do contrato do Alan Kardec. Já tem dois meses e um dia. Desde sexta-feira eu me posicionei em relação a isso passando a ouvir o que os outros clubes possam querer em relação ao jogador Alan Kardec. Surgiram várias conversas que até então eu vinha me fechando para não tocar no assunto, dessas possibilidades, mas se for colocar em termos de situação, não mudou nada. Tivemos inclusive coisa do mercado árabe, eu falei que ouviria, e estou ouvindo”, declarou Alan Kardec pai.

Por conta das notícias que vem circulando na mídia sobre uma possível comissão que estaria dificultando a conclusão da renovação, o pai do jogador resolveu se explicar e negou que ele próprio receba dinheiro.

“Eu tenho uma pessoa que me ajuda muito, que está me assessorando. Obviamente, no meio do futebol, toda figura de quem cuida da negociação faz jus a uma comissão. Eu não sei, honestamente, se tem a ver. Eu te diria por mim, que eu não tenho comissão nenhuma, porque eu sou pai do atleta, só quero o melhor para o meu filho. Na realidade não estou fazendo o que estou fazendo por causa de comissão. Tenho uma pessoa que está me ajudando e faz jus a uma comissão, mas não sei que eles se negaram a fazer esse acerto. Essa comissão é praxe no meio do futebol”, contou.

Alan Kardec também se disse surpreso ao saber esses dias que talvez o Palmeiras não esteja 100% acertado com o Benfica, de Portugal, clube que detém os direitos econômicos do atleta.

“Eu me surpreendi esses dias quando eu julgava que eles já tinham tudo certo com o Benfica. Me surpreendi que eles estavam procurando investidor para negociar com o Benfica, sendo que há dois meses havia surgido a conversa que já estava tudo acertado com o Benfica. Eu fiquei surpreso. Surpreso e temeroso, diga-se de passagem, porque o tempo urge. Eu não tenho o conhecimento que já exista esse acerto. Eu supunha que já haveria. Apalavrado eu sei que está, os valores, tudo. E como eu imaginava que haveria interesse muito grande do Palmeiras contratar o meu filho, como já estava apalavrado, eu já julgava como certo”.

Responsável por agenciar o camisa 14 do Palmeiras, Kardec também fez questão de frisar que ele e seu filho abriram mão de muita coisa para conseguir que o atacante permaneça no Verdão.

“Nós topamos tudo que você possa imaginar para viabilizar a renovação dele com o Palmeiras. Até o limite do tolerável. A partir do momento que sentimos que extrapolava os limites do tolerável, nós nos abrimos a conversar com outros clubes”, falou, antes de negar que propostas dos maiores rivais do Palmeiras tenham chegado às suas mãos. “Eu, pessoalmente, não recebi nada do São Paulo não. Eu já vi esse comentário na mídia, assim como surgiu o comentário do Corinthians, e há um tempo surgiu coisa de um clube de Minas, do Internacional de Porto Alegre. Já ouvi, mas comigo não teve nada não. Nada em caráter oficial”, completou.

O pai do atacante palmeirense confirmou sua intenção de revelar os números oferecidos pelo Palmeiras caso o negócio não se concretize e seu filho seja taxado de “mercenário”: “se for preciso eu vou mostrar os números e vou deixar por conta da avaliação de vocês, dos torcedores, dos formadores de opinião, do pessoal da mídia, para ver se eram números factíveis ou se eram fora da realidade”.

Alan Kardec explicou os motivos de sua preocupação pela demora no acerto com o Palmeiras e revelou que isso é motivado, em parte, por conta de uma experiência vivida anteriormente.

“Não quero ficar esperando, porque nós passamos por isso lá no Santos. A gente ficou na expectativa que, dado o bom desempenho dele na equipe, ele pudesse ter seu empréstimo renovado ou até mesmo que viesse a ser adquirido pelo Santos. Mas foi sendo postergado, e ao final infelizmente isso não aconteceu e ele teve que voltar para Portugal”, relembrou. “O Benfica, hoje, é muito bem servido de atacantes. Chegou lá em Portugal ele não teve oportunidade e acabou ficando parado. Tenho muito medo que isso possa voltar a acontecer. Em função disso, eu disse que vou ouvir tudo que eu puder, coisa que eu não fiz na época do Santos”.

O pai de Alan Kardec disse que a possibilidade de seu filho de machucar também pesa bastante em relação ao seu temor.

“Muito me preocupa essa situação por uma possível contusão. Hoje o Palmeiras quer comprar e tem interesse. Se, Deus nos livre e guarde, ele sofre uma contusão e tem que ficar parado um tempo, será que o Palmeiras continuaria querendo comprar? Será que continuaria existindo outros clubes interessados?”, indagou.

Por fim, Alan Kardec exaltou sua gratidão ao Palmeiras e assegurou que, independentemente do desfecho da negociação, o apreço dele e de seu filho em relação ao clube seguirá inalterado.

“Você pode ter certeza absoluta que, assim como eu fiquei muito grato ao Santos, à época que eles deram uma oportunidade, a gente deu um cantinho no coração para guardar o escudo do Santos. Eu tenho um quarto até maior do que esse quartinho do Santos para guardar o Palmeiras, caso a gente vá embora. O sonho é vir a se tornar um ídolo da torcida do Palmeiras. Mas se infelizmente não der, pode ter certeza absoluta que a gente vai ter um carinho muito especial pelo Palmeiras, por toda a sua torcida, pela forma que ele foi acolhido. Isso faz um tremendo bem para a alma e dinheiro não paga isso”, finalizou.