“Paizão” da Sub-20, Micale comemora vice no Mundial e fala em auxiliar Dunga

  • Por Jovem Pan
  • 27/06/2015 14h38
Reprodução Substituto de Gallo na Seleção Sub-20

A campanha da Seleção Brasileira Sub-20 no Mundial da categoria disputado no Nova Zelândia poderia ser um desastre. Convocação contestada, desempenhos ruins nos torneios anteriores e demissão do treinador dias antes da estreia foram fatores que tiravam o otimismo em cima da equipe verde amarela. Ainda assim, sob o comando de Rogério Micale, o Brasil se superou e chegou ao vice-campeonato. Em entrevista à Rádio Jovem Pan, neste sábado (27), Micale valorizou a campanha e destacou que auxiliará Dunga nos Jogos Olímpicos do Rio 2016.

“Acho que, pela circunstancias, foi um excelente resultado. Logico que uma situação como essa não é o ideal. Por tudo isso, o vice-campeonato vem nos fortalecer e trazer convicção de que podemos ter um norte em relação a formação, projeto de base da CBF. Acreditamos que temos jogadores de qualidade para levar o projeto adiante”, comentou. “Assumi dois dias antes da apresentação. Tanto a convocação para o mundial como para o Pan já estavam realizadas pelo Gallo”, completou Micale.

Com passagens nas bases de Figueirense e Atlético Mineiro, Micale assumiu a Seleção e mostrou um trabalho diferente de seu antecessor, Alexandre Gallo. Enquanto Gallo foi criticado por sua relação com os jogadores, Micale se mostrou um grande “paizão do grupo” e, segundo ele, essa é sua forma de trabalhar.

“Não sei a característica de atuação do Gallo com os atletas. No meu caso, gosto muito de conversar, sou aberto ao diálogo. Gosto muito de mostrar ao atleta minha forma de trabalho. Dou abertura ao atleta para poder conversar e em cima de argumentos vamos chegar ao denominador comum. No futebol não cabe mais a imposição. Tenho minha forma de pensar, tenho meus conceitos definidos. Mas estou sempre aberto aos atletas. Procuramos servir como um amparo em um momento pressão”, explicou o treinador.

Rogério Micale ainda elogiou o grupo da Seleção Sub-20 e destacou que alguns atletas que disputaram o Mundial na Nova Zelândia poderão servir ao time principal do Brasil nos próximos anos: “a base serve para você moldar o atleta em vários aspectos importantes para que ele possa avançar em vários aspectos importantes para um jogador de Seleção Brasileira. Acredito que nessa geração vão ter jogadores que possam servir no futuro”, comentou.

O treinador tem pela frente agora a disputa dos Jogos Pan-Americanos, em Toronto, a partir do dia 6 de julho. Principal objetivo da equipe, porém, são os Jogos Olímpicos do Rio 2016 e Micale destacou que trabalhará em parceira com Dunga para levar até o treinador os principais jogadores da base brasileira.

“Preciso ter uma reunião com o Dunga pra saber como vou colaborar nas Olimpíadas. Sei que há algumas datas Fifa batendo com jogos da Seleção Olímpica e possivelmente vou fazer esses jogos. Com relação a idade do jogador, pra mim é assim: se o jogador está jogando, tendo qualidade e mostrando condição, não tem idade! Independente se tem 18, 17, 21 anos, vai ser passado para o Dunga ele vai resolver. Ele é o treinador das Olimpíadas e vamos fazer um papel de observação, de selecionar. E ele vai ter a missão de escolher os melhores”, explicou o comandante da base da CBF.