Palmeiras bate Peñarol com gol aos 54 minutos do segundo tempo

  • Por Jovem Pan com Estadão Conteúdo
  • 13/04/2017 00h24
SP - LIBERTADORES/PALMEIRAS X PEÑAROL - ESPORTES - Fabiano, do Palmeiras, comemora seu gol nos acréscimos da partida contra o Peñarol, válida pela 3ª rodada do grupo 5 da Copa Libertadores da América 2017, realizada no Allianz Parque, em São Paulo, quarta-feira (12). 12/04/2017 - Foto: LUIS MOURA/WPP/ESTADÃO CONTEÚDO LUIS MOURA/WPP/ESTADÃO CONTEÚDO Fabiano comemora o gol da vitória emocionante do Palmeiras sobre o Peñarol

Depois de vencer na estreia em casa com um gol aos 50 minutos do segundo tempo, nesta quarta-feira o Palmeiras voltou a vencer na Libertadores da América com um gol nos acréscimos. Jogando no Allianz Parque, o time comandado por Eduardo Baptista, bateu o Peñarol por 3 a 2, com um gol aos 54 minutos da etapa final.

O herói do jogo épico foi Fabiano. O lateral está longe de ser o mais festejado pela torcida e marcou apenas o segundo gol pelo clube. O outro tem ainda mais peso histórico, pois foi o do êneacampeonato brasileiro ano passado, contra a Chapecoense. Agora, o resultado positivo coloca a equipe como líder do Grupo 5 da competição, com sete pontos.

A torcida do Palmeiras aos poucos se acostuma com a tensão inerente aos jogos da Libertadores e vê que não vai faltar luta. O técnico Eduardo Baptista repetiu pela primeira vez a formação do Palmeiras no ano. A escalação foi a mesma usada contra o Novorizontino, na última sexta-feira, mas os jogadores fizeram uma partida bem diferente.

Chegar ao gol do Peñarol significava ter de contornar a marcação, fugir das faltas e desviar de carrinhos. Dudu era o mais capacitado para essa dura travessia. Sozinho, porém, era apenas um solitário alviverde contra pelo menos dois marcadores a cada jogada. Os uruguaios jogavam ao seu estilo, ao ganharem o máximo de tempo possível com o jogo parado.

O preço dessa entrega saiu barato para o Peñarol no primeiro tempo. Ter recebido três cartões amarelos pelas várias faltas cometidas é quase nada diante do imenso lucro da vitória parcial. Um escanteio terminou com o gol de cabeça do zagueiro Arias, aos 31 minutos. A desvantagem desorganizou o Palmeiras.

No intervalo, Eduardo Baptista arrumou o time. O segundo tempo foi uma jornada tão diferente que em cinco minutos a história era outra. Willian empatou no primeiro minuto, Dudu virou aos cinco. Borja ainda teve um pênalti para ampliar, aos nove, mas o chute foi para fora, sob o gol.

Para conseguir essa reviravolta o Palmeiras imprimiu um ritmo forte, além de contar com o apoio dos mais de 38 mil torcedores presentes. A equipe voltou disposta a conseguir a virada de qualquer jeito, com uma velocidade impressionante capaz de fazer o Peñarol apanhar na bola e em pouco tempo tudo o que havia batido até então.

Apesar da reação, o jogo não estava resolvido. O Peñarol continuou a ameaçar nas jogadas aéreas. Para a angústia da torcida, novamente o grito do terceiro gol ficou abafado. A defesa uruguaia tirou em cima da linha um chute de Tchê Tchê. A punição veio na sequência, quando uma falta cobrada até a área rendeu o empate aos 30 minutos, com Gastón Rodríguez.

A angústia piorou porque logo na sequência outra chance incrível foi perdida. Willian driblou o goleiro e ao finalizar, chutou no travessão. Tudo isso deixou o resultado de empate como um tremendo prejuízo, capaz de irritar e causar a expulsão de Dudu, já nos acréscimos. Mas, o Palmeiras não parou de lutar e foi recompensado aos 54, com o gol de Fabiano.

Opinião JP

Para Bruno Prado, o resultado conquistado pelo Palmeiras no último minuto da partida contra o Peñarol foi merecido. O comentarista da Jovem Pan destacou a pressão imposta pelo time comandado por Eduardo Baptista na segunda etapa, mas fez um alerta em relação ao desperdiçou de chances de gols.

“Vitória emocionante do Palmeiras. Foi assim com o Jorge Wilstermann, agora com o Peñarol. A vitória foi merecida, principalmente pelo que o time fez no segundo tempo. Mas, algumas coisas preocupam. Os três adversários que o Palmeiras enfrentou até agora na Libertadores são inferiores e mesmo assim o Palmeiras não teve amplo domínio das partidas. O Palmeiras precisa jogar mais e tem time para isso. O Palmeiras precisa ditar o ritmo do jogo”.

O comentarista também analisou a expulsão do atacante Dudu, que deve prejudicar o Palmeiras na próxima partida da Libertadores. “O Palmeiras acabou entrando na pilha dos uruguaios. O juiz errou é verdade, mas o Dudu precisava respirar fundo. Vai ser um desfalque importante para a partida contra o Peñarol, no Uruguai”, conclui.

Ouça os gols da partida entre Palmeiras e Peñarol: