Palmeiras cai na cera uruguaia, perde para o Nacional e se complica na Libertadores

  • Por Jovem Pan
  • 09/03/2016 23h48
SP - LIBERTADORES/PALMEIRAS x NACIONAL (URU) - ESPORTES - Comemoração do gol de Nicolás López, do Nacional (URU). marcado diante do Palmeiras, durante partida válida pela 3ª rodada da Copa Libertadores da América, no estádio Allianz Parque, na zona oeste da capital paulista, nesta quarta-feira (09). 07/01/2016 - Foto: BRUNO ULIVIERI/RAW IMAGE/ESTADÃO CONTEÚDOO Nacional surpreendeu o Palmeiras com dois gols seguidos e levou a melhor no Allianz Parque

A campanha do Palmeiras na Libertadores vinha sendo boa: um empate fora de casa e uma vitória no Allianz Parque. Só faltava vencer o Nacional, do Uruguai, nesta quarta-feira (09), para ficar tranquilo na segunda parte da fase de grupos da Libertadores. Mas o Verdão não contava com a capacidade do time uruguaio de se defender, fazer cera e, principalmente, marcar dois gols para vencer por 2 a 1.

Como costuma fazer em jogos importantes, o Palmeiras de Marcelo Oliveira, que acompanhou a partida de fora do banco de reservas por ter sido expulso contra o Rosario Central, começou no abafa. Na primeira chance, Dudu chutou cruzado, o goleiro Esteban Conde não segurou e houve confusão na área, mas havia sido marcado impedimento de Cristaldo. Na sequência, Robinho cobrou falta e obrigou Conde a fazer boa defesa.

Os problemas do Verdão começaram quando o Nacional passou a se sentir mais seguro em campo, adiantou a marcação e começou a atrapalhar a criação adversária. Mais que isso: em bola sobrada na área, Nico López tentou de calcanhar e acertou a trave. Pouco depois, o atacante não perdoou: após Thiago Martins cortar cruzamento na área, ele dominou, saiu de Fernando Prass e mandou para dentro.

O alviverde acusou o golpe e o time uruguaio se aproveitou. Depois de roubada de bola faltosa contra Cristaldo, saiu lançamento para Leandro Barcia sair na cara do gol, nas costas da zaga, e ampliar. Parecia roteiro de tragédia no Allianz Parque, mas antes do intervalo a situação mudou novamente. Fucile fez falta por trás em Gabriel Jesus, levou o segundo amarelo e foi expulso. O mesmo Gabriel Jesus, nos acréscimos, ficou com a bola depois de a defesa cortar passe de Robinho, driblou o goleiro e estufou as redes.

Na segunda etapa, como era de se esperar, o Nacional recuou e passou a retardar o jogo. O Palmeiras, por sua vez, foi pra cima e teve sua primeira chance aos 10 minutos, quando Lucas levantou na cabeça de Vítor Hugo, que cabeceou rente ao travessão. No entanto, a equipe seguiu tendo dificuldades para criar jogadas de perigo e pressionar o adversário.

Se não havia chances de gol, sobrou catimba e confusões em campo, com os jogadores uruguaios aproveitando cada chance para segurar a bola parada e provocar os palmeirenses. Mas o time brasileiro também não se ajudou: limitando-se aos cruzamentos na área, teve sua melhor chance com um chute de fora da área de Robinho que Conde defendeu com os pés. Nos acréscimos, o atacante brasileiro Léo Gamalho acertou Egídio em falta desleal e foi expulso, mas o placar continuou o mesmo. Pouco depois, em bola sobrada na área, Dudu dominou e soltou a bomba, mas acertou a trave.

Com a derrota do Palmeiras, o Grupo 2 ficou embolado. O Nacional lidera com cinco pontos, Palmeiras e Nacional vêm em seguida, com quatro, e o River Plate do Uruguai tem apenas dois. Na próxima rodada, o alviverde terá a chance de revanche contra o Nacional, mas jogando no Uruguai.