Palmeiras e Corinthians fazem clássico eletrizante e empatam em jogo de seis gols

  • Por Lancepress
  • 06/09/2015 18h09
SÃO PAULO, SP - 06.09.2015: PALMEIRAS-CORINTHIANS - Renato Augusto em lance com Arouca - partida entre Palmeiras e Corinthians, válida pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro de Futebol 2015, no estádio Allianz Parque, na zona oeste da capital paulista, durante a tarde deste domingo. (Foto: Ricardo Nogueira/Folhapress)Clássico foi movimentado no primeiro

Eletrizante! Das divididas nos minutos iniciais à defesa salvadora de Cássio no último minuto, Palmeiras e Corinthians fizeram um clássico tenso, enérgico e de ótimo nível neste domingo, no Allianz Parque. Foi 3 a 3, mas poderia ter sido até mais, tamanho o volume de jogo de ambos os lados.

Lucas, Robinho e Dudu marcaram para o Verdão, que agora fica a três pontos do G4, no sétimo lugar. Guilherme Arana, Amaral contra e Vagner Love anotaram para o Timão, que segue líder, mas agora com cinco pontos de vantagem sobre o Atlético-MG e com o seu maior jejum em clássicos do século: nove partidas.

Energizado pelo canto de quase 35 mil palmeirenses, os donos da casa começaram melhores. Dudu pelo meio confundia Ralf e Marciel, Arouca infiltrava e os laterais davam opção para tabelas e ultrapassagens. Logo o Verdão percebeu que o caminho para furar a marcação era pelo lado direito do ataque. Mais pela falta de recomposição e combatividade de Malcom do que pela fragilidade de Guilherme Arana, que substituia Uendel. Foi por ali que Lucas avançou e, com a ajuda de um desvio da defesa alvinegra, abriu o placar encobrindo Cássio.

Embora bem mais atrapalhado na defesa do que de costume, o Timão não ia tão mal. Ligado, Renato Augusto novamente esteve em tarde inspirada e ditou o ritmo do meio alvinegro. Contudo, faltou um pouco mais de pontaria. O camisa 8 desperdiçou duas ótimas oportunidades – uma delas seria um golaço – e Malcom também poderia ter marcado se não demorasse tanto para definir após vacilo da zaga alviverde.

O jogo era em alta tensão. O placar foi aberto aos 16, Guilherme Arana empatou aos 24, e aos 26 o Verdão já estava na frente de novo. Novamente pelo lado esquerdo da zaga corintiana, novamente com Lucas. Desta vez o lateral colocou a bola na cabeça de Robinho, que finalizou com precisão.

O Allianz Parque explodiu e o Dérbi seguiu em alta voltagem. As duas equipes criavam, mas foi o Corinthians que voltou a marcar. Jadson bateu falta, Marciel desviou e, após defesa de Prass e bate e rebate na área, Amaral fez contra, aos 37.

O problema para os alvinegros é que a melhor defesa do campeonato parecia desligada como há tempos não sei via. Aos 42, num escanteio, jogada tão treinada por Tite, o Palmeiras passou à frente mais uma vez. Alecsandro desviou, e Dudu, livre, marcou o terceiro.

O primeiro tempo do clássico teve muito mais emoção do que muitos jogos do Brasileirão. Era difícil acreditar que os atletas teriam energia para mais 45 minutos neste ritmo. E de fato o Dérbi perdeu intensidade na segunda etapa, embora tenha continuado extremamente tenso.

Marcelo tentou matar a partida empurrando Zé Roberto para o meio e apostando na estrela de Cristaldo. Do outro lado, Tite percebeu que Malcom e Marciel não estavam bem e colocou Cristian e Rildo. O atacante entrou pilhado e mudou a cara do Timão. Foi ele quem sofreu a falta que originou o gol de Vagner Love, aos 33.

O empate murchou o Palmeiras e sua torcida, e o Timão parecia satisfeito com o ponto fora de casa. Calmaria? Nem pensar. Ainda deu tempo para aos 45 Cássio fazer um milagre após cabeceio de Leandro Almeida e garantir que um dos melhores jogos do campeonato terminasse 3 a 3. Ufa!