Palmeiras vence Mogi, se classifica e pega São Bernardo no Paulista

  • Por Agência Estado/Jovem Pan
  • 10/04/2016 18h01
SP - PAULISTÃO/MOGI MIRIM X PALMEIRAS - ESPORTES - Alecsandro, do Palmeiras, comemora após marcar gol em partida contra o Mogi Mirim, válida pela 15ª rodada do Campeonato Paulista, no estádio Romildo Vitor Gomes Ferreira, em Mogi Mirim, na tarde deste domingo (10). 10/04/2016 - Foto: DENNY CESARE/CÓDIGO19/ESTADÃO CONTEÚDOAlecsandro marcou o primeiro gol alviverde na vitória sobre o Mogi

Lucas Barrios já é candidato ao posto de novo talismã palmeirense. Pelo segundo jogo seguido o atacante saiu do banco de reservas para tirar o time do sufoco. Neste domingo, em Mogi Mirim, a contribuição fundamental dele foi marcar o gol da vitória por 2 a 1 sobre a equipe da casa e garantir a classificação para as quartas de final do Campeonato Paulista em primeiro lugar do Grupo B. O adversário na próxima fase será o São Bernardo, segundo colocado da chave. Já o Mogi Mirim está rebaixado.

Quatro dias antes, o paraguaio tinha entrado no segundo tempo para garantir o empate em 3 a 3 com o Rosario Central, na Argentina, pela Copa Libertadores. Em ambas ocasiões o gol dele salvou um Palmeiras em apuros e próximo da eliminação. Momentos antes de ele deixar a marca em Mogi Mirim, aos 19 minutos do segundo tempo, a equipe da casa tinha perdido uma chance sem goleiro e a Ponte Preta, concorrente direta, feito um gol contra o Rio Claro.

O paraguaio concluiu com precisão cruzamento para colocar nos trilhos jogo que começava a ficar desesperador. O Mogi Mirim brigou sem êxito para não cair e durante boa parte do jogo encarou de igual para igual o cansado time do Palmeiras, que teve apoio maciço vindo das arquibancadas.

A maior parte da torcida do Mogi Mirim ficou posicionada como visitante, atrás do gol, enquanto o estádio tinha a maioria alviverde. A ida do Palmeiras à cidade para um jogo decisivo fez as ruas nos arredores do estádio ficarem cheias de torcedores da equipe, fora a presença de bandeiras e camisas à venda na porta do Vail Chaves.

A ilustre presença do Palmeiras representou para alguns moradores do interior a chance de ver o time de perto. A euforia foi visível antes da partida, quando torcedores correram para se aproximar do alambrado para ver o aquecimento de Fernando Prass e esticar a mão para tentar cumprimentar alguns jogadores que iam sentar no banco de reservas. 

O começo do jogo fez aumentar o coro da maioria palmeirense no estádio. O time foi para cima do Mogi Mirim, sem tentar depender de outras combinações de resultado. A pressão gerou uma jogada de perigo logo no primeiro lance da partida e rendeu um gol aos 15 minutos do primeiro tempo. Allione fez jogada pela esquerda e Alecsandro completou após rebote do goleiro.

No campo de grama alta e sob calor de mais de 30ºC a força do Palmeiras se esvaiu com o empate. Lulinha, em pênalti duvidoso, igualou logo depois. O jogo, então, passou a ser mais um teste para ver qual time errava menos. O Palmeiras acertou a trave em cobrança de falta de Victor Luís. O Mogi Mirim perdeu chance incrível com Keké.

O tempo técnico não ajudou a equipe do técnico Cuca a se acertar O Mogi Mirim defendia com uma linha de cinco, muralha difícil de atravessar e que levou a bola a passear de pé em pé dos volantes para os laterais. Faltava agredir, embora os resultados da rodada continuassem favoráveis.

Os desfalques de Dudu e Gabriel Jesus fizeram o Palmeiras perder poder de fogo. Por isso, o técnico Cuca colocou fez mudanças para resolver a situação. O alívio demorou, só veio depois de sustos, mas graças ao poder de finalização de Barrios após passe de Jean, o jogo voltou a ficar como o Palmeiras precisava.

O time visitante ainda continuou a ameaçar e só não ampliou graças às defesas de Mauro. Barrios ainda perdeu mais chances de ampliar e Fernando Prass trabalhou quando foi preciso. Mesmo sem brilho, o Palmeiras confirmou a classificação no embalo da sua tradição e na eficiência dos atacantes.