Para Obama, protesto de jogador da NFL foi legítimo: “é seu direito constitucional”

  • Por Jovem Pan
  • 05/09/2016 10h42

Colin KaepernickColin Kaepernick protesta durante execução de hino

O presidente norte-americano Barack Obama comentou a polêmica envolvendo o quarterback do San Francisco 49ers, Colin Kaepernick, que permaneceu sentado durante a execução do hino nacional antes de uma partida da pré-temporada da NFL, no fim do mês passado. Seu ato foi um protesto aos recentes assassinatos de negros por policiais nos Estados Unidos.

Obama se posicionou durante uma coletiva de imprensa nesta segunda em Hangzhou, na China, onde participa do encontro do G20. Para o presidente, Kaepernick foi sincero em seu protesto e não faltou com respeito ao país:

“Eu acho que ele se preocupa com problemas reais e legítimos, que precisam ser falados. Eu entendo que ele está exercendo seu direito constitucional. Há uma longa história de figuras do esporte fazendo isso. Há um monte de maneiras em que você pode protestar”, afirmou o presidente.

Outro que deu sua opinião a respeito do caso foi o candidato à presidência americana Donald Trump, porém o magnata foi muito crítico que o atual presidente. Trump afirmou, em entrevista ao Buzzfeed News, que não vê com bons olhos o comportamento do quarterback: “eu acho isso (não se levantar para o hino) uma coisa terrível e talvez ele deva encontrar um país que funcione melhor para ele”.

Kaepernick declarou que não se arrepende de ter feito o protesto. “Não vou me levantar e mostrar orgulho pela bandeira de um país que o oprime o povo negro e as pessoas de cor. Para mim, isso é maior que o futebol e seria egoísta da minha parte ignorar esse assunto”, afirmou o jogador para o site da NFL.