Pesquisa indica que ampla maioria dos atletas da NFL aceitaria companheiro gay

  • Por Jovem Pan
  • 17/02/2014 18h34
Michael Sam

Depois de anunciar que pretende ser o primeiro jogador profissional de futebol americano assumidamente gay a atuar na NFL, o defensive end Michael Sam, da Universidade de Missouri, agitou os bastidores da liga esportiva mais importante dos Estados Unidos. E em meio ao debate do assunto, a ESPN americana e sua revista resolveram fazer uma pesquisa.

De forma anônima, uma pesquisa foi promovida com 51 jogadores da NFL, que responderam a quatro questões de verdadeiro ou falso. E a coleta de dados deu indícios de que os atletas não estão preocupados com a orientação sexual dos companheiros e que aceitariam um colega gay em seus times.

Apesar de terem se mostrado receptivos a um jogador homossexual, sendo que 44 jogadores de 51 disseram que a opção sexual de colegas não importa e 39 declararam não verem problema em tomar banho perto de parceiros gays, 32 atletas também admitiram que ouviram companheiros ou técnicos usarem termos ofensivos contra gays e somente 25 de 51 jogadores afirmaram acreditar que um atleta homossexual se sentiria confortável em um vestiário da liga, sendo que 21 negaram que isso seja verdade e outros cinco preferiram não responder.

No próximo mês de maio, no draft da NFL, o recrutamento de atletas universitário, o mundo saberá se algum time resolveu escolher Michael Sam para seu elenco. E, ao menos pela pesquisa, parece que nada tão forte vai dificultar a vida do atleta na liga de futebol americano.