Petros destaca futebol ofensivo na Europa e diz: “Corinthians brigaria na parte de cima do Espanhol”

  • Por Jovem Pan
  • 19/10/2015 21h02
Petros elogiou a preparação dos jovens jogadores nas categorias de base dos times europeus

O meia Petros está há menos de quatro meses jogando na Espanha e já conseguiu perceber as diferenças entre o futebol europeu e o brasileiro. Prova disso foi a análise que o ex-corintiano e agora jogador do Real Betis fez, em entrevista à equipe da Rádio Jovem Pan, sobre o assunto. Para ele, o comportamento tático dos atletas e o foco na estratégia, desde as categorias de base, fazem a diferença. No entanto, Petros não vê o futebol brasileiro tão atrás daquele praticado no Velho Continente.

“Não tem diferença técnica, não é que aqui os jogadores são melhores. A diferença é a seguinte: o jogador aqui está disposto a abdicar do individual para que a equipe tenha um melhor rendimento. É uma coisa que falta muito ao jogador brasileiro, que gosta muito de ser a atração principal. Para nós, o prêmio individual muitas vezes está acima de qualquer coisa. Aqui, quando a gente chega, aprende que se a equipe vai bem, todos estão bem. Isso o jogador brasileiro precisa aprender”, disse Petros. Para ele, outra diferença é o jogo ofensivo.

“É uma escola totalmente contrária do que estamos acostumados no Brasil, é uma forma de jogar que propõe o jogo, pressiona, roubar a bola e já começa a jogar para buscar o gol a todo instante. E isso acontece em todas as equipes: do Barcelona ao último colocado. No Brasil ainda pegamos alguns times que não jogam, apenas marcam, e aqui na Espanha não tem isso de administrar, para eles a melhor forma de administrar é fazer mais gols”, analisou.

Petros também deu sua opinião quando perguntado sobre como os times brasileiros se sairiam jogando nos torneios europeus. “Eu acho que se fosse um campeonato de mata-mata, como é o Mundial de Clubes, os times brasileiros chegariam com força e brigariam pelo título, como foi o Corinthians em 2012. No Campeonato Espanhol acho que Corinthians e Atlético-MG estariam brigando do meio para cima na tabela”, arriscou, ressaltando as exceções. “É claro que aqui temos equipes que estão disparadas, que são Barcelona, Atlético e Real Madrid, que são acima da média por investimento, por estrutura e tudo o mais. Mas aqui o Corinthians estaria brigando por uma vaga na Champions”.

Outro diferencial, segundo Petros, é a formação dos jogadores nas categorias de base. “Aqui na Espanha, muitas vezes, por lesão, têm de pegar um jogador da categoria de base e colocar para treinar com a gente (do time profissional). Mesmo sem conhecer e treinar com a gente todos os dias, o jogador sabe exatamente o que fazer, você pode dar a bola para ele que ele vai estar lá. Isso é muito interessante, é muito diferente do Brasil”, disse o meia antes de concluir: “a categoria de base no Brasil nunca é espelho do que o time profissional faz”.