Polícia prende primeiros torcedores suspeitos de invasão ao CT corintiano

  • Por Jovem Pan
  • 20/02/2014 08h15
SÃO PAULO,SP,01.02.2014:FUTEBOL/CORINTHIANS/TORCEDORES INVADEM O CT - Torcedores invadem o CT Joaquim Grava em São Paulo, SP, neste sábado (1), antes do treino do Corinthians para conversar com os jogadores. . (Foto: Rodrigo Gazzanel/Futura Press/Folhapress)Torcedores invadem Centro de Treinamento do Corinthians

A justiça determinou, na manhã desta quinta-feira (20), a prisão de três torcedores que participaram da invasão ao CT do Corinthians no último dia 1º de fevereiro. Treze invasores foram detidos no total. Sendo dez deles da torcida “Camisa 12” e um da uniformizada “Pavilhão Nove”. Três torcedores ainda estão foragidos. 

A operação deflagrada por volta das 4h30 da manhã com mandados de busca e de prisão expedidos ainda não foi encerrada pois há residências a serem abordadas que estão fora da capital paulista. Participação da ação mais de 40 políciais civis envolvidos na ação, liderados pela delegada-chefe Margareth Barreto da Decradi (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância). 

Das três prisões, duas são de caratér temporário [reclusão por apenas cinco dias]. O outro torcedor foi preso na sede da Camisa 12 com uma arma calibre 38 com número de registro raspado e foi levado à delegacia algemado. 

Na busca pelas sede das três torcidas corintianas [Gaviões da Fiel, Pavilhão Nove e Camisa 12] foram apreendidos computadores e documentos para uma melhor análise do caso. Na sede da Gaviões, foram encontrados 3.300 doláres, que teriam vindo da sub-sede da organizada em Tóquio, no Japão. A polícia vai averiguar a origem desse dinheiro.

A delegada Elisabeth Sato, diretora do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), revelou a influência de Mario Gobbi, presidente do clube paulista, na realização da operação. “Queria deixar bastante claro que todo esse trabalho foi desencadeado em razão de uma petição formulado pelo presidente do Corinthians, que solicitou ao delegado geral que o Decradi fizesse a investigação com extrema transparência e lisura em razão da invasão do CT do Corinthians”, disse.

Sato admitiu que o número de detidos ainda é reduzido, mas justificou a demora pela identificação dos invasores. “Sabemos que tem mais. As imagens estão vindo picadas porque, segundo a presidência do Corinthians, o sistema de segurança teve problemas. Estamos coletando imagens de televisões também para ajudar na investigação”, explicou.

Os invasores identificados responderão por crimes como dano ao pratimônio, agressão física e formação de quadrilha. Na invasão ao CT corintiano, três celulares foram roubados e funcionários do clube, além do atacante Paulo Guerrero e o médico Joaquim Grava, foram agredidos. O carro de Paulo André, que deixou o clube para ir à China, foi danificado.