Prass critica regulamento do Paulista e elogia torcida palmeirense

  • Por Jovem Pan
  • 26/01/2015 19h21
O goleiro Fernando Prass, da SE Palmeiras, concede entrevista coletiva antes do treinamento na Academia de Futebol, no bairro da Barra Funda. São Paulo/SP, Brasil - 26/01/2015. Foto: Cesar Greco / Fotoarena Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação Para Fernando Prass

O goleiro Fernando Prass concedeu entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira (26), na Academia de Futebol, e falou sobre todas as novidades que têm agitado o dia a dia do Palmeiras. Entre elogios à torcida e críticas ao regulamento do Campeonato Paulista, que limitou o número de jogadores inscritos a 28, Prass falou da dificuldade de começar uma equipe do zero.

“No time que começou o último jogo, começou eu, Mendieta, Allione e Tobio. Não tem nem 40% do time (de 2014). É tudo novo, e vamos levar um tempo a mais que Corinthians e São Paulo, que têm uma base montada”, analisou o goleiro, que credita as falhas defensivas nos amistosos à falta de entrosamento. “São muitos novos e pouco tempo de treino. Conheço pouco os nossos jogadores. Com o tempo a gente vai poder perceber a característica de cada um, e ver se podemos marcar individual, se podemos marcar por zona”.

O camisa 1 criticou a mudança no regulamento do Campeonato Paulista, que em 2015 permite a inscrição de apenas 28 jogadores, justamente para que alguns times não usem apenas garotos na competição. “Estadual se usa para os meninos entrarem no ritmo do profissional, mas não poderemos fazer pelo número restrito de inscrições. É muito complicado, porque os clubes precisam fortalecer a base, investem nisto, e não pode usar nenhum menino”, criticou.

Fernando Prass elogiou a presença do torcedor palmeirense nos dois primeiros jogos da temporada. “A cobrança sempre existe, óbvio, mas dentro de campo o apoio da torcida é impressionante. Ano passado eles foram sensacionais e a gente vinha em um momento difícil. Esse ano começou bem. Em dois amistosos, e eu nunca vi isso, deu uma média muito boa de pessoas por jogo”, afirmou o goleiro.

Por fim, ele comentou a possível chegada de Aranha, do Santos, ao Verdão, e o fato de a diretoria estar em busca de outro goleiro. “É uma avaliação da diretoria com a comissão técnica. Se acham que é uma posição carente, mas a única função do jogador é jogar, e da diretoria e comissão é avaliar as dificuldades do grupo”, disse Prass.