Prass vê punição pesada a Dudu e quer Palmeiras mostrando mais no Brasileiro

  • Por Jovem Pan
  • 19/05/2015 16h31

O goleiro Fernando Prass defendeu DuduFernando Prass em entrevista coletiva

O goleiro Fernando Prass, do Palmeiras, concedeu entrevista coletiva na tarde desta terça-feira (19), e falou sobre o julgamento de Dudu e sobre a pressão que todos no clube têm para fazerem uma campanha muito boa no Campeonato Brasileiro 2015.

Ao comentar o julgamento de Dudu, no qual o atacante foi suspenso por 180 dias após dar um empurrão no árbitro Guilherme Ceretta de Lima, na decisão do Campeonato Paulista, Prass afirmou que a penalização ao companheiro foi pesada, mas também não fez questão de inocentar o colega e sair em defesa de Geuvânio, do Santos.

“Eu acho que não foi agressão. O Dudu, erradamente, reage contra o árbitro, mas não vejo agressão ali. Mas foi uma série de fatos que desencadeou aquele momento. Ele tomou o vermelho direto, e não é lance para isso. O árbitro deu um amarelo equivocadamente para ele em lance anterior, que nem falta foi. Chegou no lance ali, em que um amarelo estava de bom tamanho, e ele teve que dar vermelho. Só que teve que dar vermelho para dois, o Geuvânio e o Dudu. O maior prejudicado é o Geuvânio, que na pior das hipóteses mereceria o amarelo”, disse o camisa 1. “As pessoas usam muito o recurso para punir o jogador depois do jogo. Nesse caso, deveria ser usado o vídeo para tirar a punição do Geuvânio. Eu não disse que o Dudu tem que ser absolvido, não disse que o Dudu não fez nada. Mas não foi agressão, foi ato hostil. Um empurrão é diferente de agredir uma pessoa. Agredir é soco, pontapé, derrubar o cara no chão. O Dudu simplesmente encostou, deu um empurrãozinho, tanto é que o Ceretta mal se mexe no lance”, prosseguiu.

O arqueiro destacou que a pena foi bastante pesada pelo ato em si: “o Dudu foi punido e ninguém está aqui para dizer que ele tem que ser inocentado. Mas se eu chegar agora e te empurrar, não posso dizer que te agredi. Na minha opinião, a punição de seis meses é desproporcional. Foi um ato grave, o árbitro é autoridade, mas seis meses é uma punição muito dura. Eu não entendo de lei. A única coisa que consegui absorver dessa discussão toda é que o Dudu foi enquadrado em agressão, e eu acho que tem de ser ato hostil”.

Fernando Prass também destacou que Dudu precisa utilizar a situação como exemplo para não se descontrolar em outras oportunidades.

“Nos dias que antecederam o julgamento, você notava o Dudu mais tenso. Mudar a personalidade não muda. Vai ter que controlar. Não quer dizer que o Dudu vá deixar de fazer as coisas que faz, de ser o atleta que é, mas tem que saber se controlar. Ele tem 23 anos e foi a primeira vez que teve uma atitude dessa, não é recorrente, mas serve de exemplo”, frisou. “Cada um amadurece no seu tempo e com as suas dificuldades. A minha dificuldade de amadurecimento é diferente da sua, do Dudu, do Zé Roberto… Para o Dudu, o que passou não tem como mudar. Que ele leve como exemplo, e não como um peso. Que ele possa, em cima desse momento difícil que vai marcar a carreira dele, dar a volta por cima”, completou.

Por fim, Prass, que é um dos grandes líder do Palmeiras, analisou o início de campanha do Verdão no Campeonato Brasileiro e admitiu que a equipe precisa mostrar bem mais, mantendo a evolução mostrada no Paulistão.

“A gente teve essa sensação no começo do Paulista, de que dava para fazer mais. Fomos formando a equipe, aumentando o nível de competição, e chegamos à final. Vencemos o São Paulo, eliminamos o Corinthians em Itaquera… Evoluiu. Agora tem que evoluir no Brasileiro, que é uma competição totalmente diferente e que vai exigir mais”, disse. “Pela expectativa que se criou em cima da gente, temos que mostrar mais do que mostramos. Pressão da gente, interna, vem desde o primeiro jogo. A gente empatou em casa e já se cobrou para recuperar fora. A gente começa o Brasileiro como favorito, apontado por alguns, passam duas rodadas e já não somos favoritos. A pressão, para a gente, não aumenta ou diminui de acordo com resultados”, finalizou.