Presidente da Wada diz que laboratório do Rio deve ser liberado até maio

  • Por Estadão Conteúdo
  • 26/02/2015 15h58
Doping

O presidente da Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês), Craig Reedie, revelou nesta quinta-feira que o Ladetec está perto de ser liberado, após ser suspenso em 2013 por causa de seguidas falhas. 

De acordo com o dirigente, o Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem (LBCD), novo nome da instituição, será recredenciado pela Wada até maio, a tempo de se preparar para receber as futuras amostras dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016.

“Estamos esperançosos de que o laboratório passará por suas últimas avaliações e poderá se recredenciado até a próxima reunião da Wada, em maio”, declarou Reedie, nesta quinta-feira, no Rio. “Seria um verdadeiro passo adiante [no processo para liberar o Ladetec].”

Com esta decisão, a Wada quer evitar repetir os transtornos sofridos pela Fifa durante a Copa do Mundo. Sem contar com um laboratório credenciado no Brasil, a entidade máxima do futebol precisou enviar as amostras de sangue e urina dos jogadores para serem analisados na Suíça, no ano passado.

O volume de amostras a serem testadas nos Jogos do Rio será muito superior às da Copa. Em 2012, durante a Olimpíada de Londres, o Comitê Olímpico Internacional conduziu mais de 5 mil exames de sangue e urina. Ainda não uma previsão de quantos testes serão realizados no Rio. 

Diante do futuro desafio da Olimpíada, o presidente da Wada se mostrou preocupado com a atual capacidade do Ladetec. “O laboratório precisa ter sua capacidade reconstruída para entregar o número de testes necessários”, declarou o presidente da agência, que também é um dos vice-presidentes do COI.