Presidente do Betis se culpa por fracasso do time na temporada e renuncia

  • Por Agencia EFE
  • 28/03/2014 19h04

Sevilha (Espanha), 28 mar (EFE).- Presidente do Betis desde junho de 2011, Miguel Guillén renunciou ao cargo nesta sexta-feira em uma reunião com os acionistas do clube e na qual assumiu “toda a responsabilidade pelo mau planejamento esportivo” desta temporada.

Além disso, Guillén anunciou que “todos os membros do conselho de administração, com exceção do vice-presidente Pablo Gómez Falcon, continuarão em seus postos a pedido de Francisco Estepa”, administrador judicial do pacote majoritário de ações do clube.

O agora ex-presidente do Betis pediu “todo o apoio ao presidente” que vai substituí-lo e que “os interesses pessoais fiquem de fora desta nova etapa que começa”.

Guillén lembrou seu trabalho à frente de um clube cujo comando assumiu quando estava “na segunda divisão e em uma situação crítica, à beira da falência”, e destacou que “em três temporadas o time subiu para a primeira divisão, se manteve na elite e se classificou para disputar uma competição europeia (a Liga Europa, em 2012-2013)”.

Atualmente, o Betis, que tem o argentino Gabriel Humberto Calderón como técnico, depois das demissões dos antecessores Pepe Mel e Juan Carlos Garrido, é o lanterna do Campeonato Espanhol, com 22 pontos, a sete da primeira equipe fora da zona de rebaixamento.

Além disso, o Betis foi eliminado na semana passada da Liga Europa, ao perder nos pênaltis para seu eterno rival, o Sevilla, em duelo pelas oitavas de final. EFE