Presidente do Botafogo confirma rescisões de Sheik e mais três do elenco

  • Por Jovem Pan
  • 03/10/2014 13h13
Sheik pode desfalcar Botafogo no restante do Campeonato Brasileiro

A situação do Botafogo é ruim dentro de campo, mas é pior fora dele. Nesta sexta-feira (03), Mauricio Assumpção, presidente do clube, anunciou as rescisões contratuais de Émerson Sheik, Bolívar, Julio César e Edílson. Ele garantiu que a decisão é inteiramente sua e assumiu a responsabilidade do futuro do clube no Campeonato Brasileiro. De acordo com o mandatário alvinegro, as justificativas para os desligamentos dos atletas são: “atitude, relacionamento e técnica”.

“Os quatro atletas terão os contratos rescindidos. Eu já vinha amadurecendo essa ideia há algum tempo e a tomei em conjunto com o Gerente de Futebol Wilson Gottardo. Ontem durante o dia comuniquei a algumas pessoas próximas a mim que tomaria essa decisão e no fim do dia liguei para o Gottardo para que não entendesse como  uma ingerência ao trabalho dele, mas como uma decisão do presidente durante um momento difícil do Botafogo no Campeonato Brasileiro. Pedi que passasse ao treinador e depois conversei com o Mancini. O advogado Aníbal Rouxinol já está conversando com os jogadores para acertar as rescisões”, explicou o presidente. 

Ele revelou que o técnico Vagner Mancini entregou o cargo, mas o pedido não foi aceito pela direção botafoguense. “Normalmente se demite o treinador, mas não vejo dessa forma, tanto que o Mancini conversou comigo e colocou o cargo dele à disposição. Eu não aceitei e disse a ele que não fizesse isso. Conto com ele para mudar essa situação e graças a Deus ele aceitou”, revelou o dirigente carioca. 

Assumpção criticou os atletas por descontarem tudo na crise financeira do clube, que tem salários atrasados há seis meses. “No Botafogo parece que isso [crise financeira] é exclusividade. Entendi que isso estava sendo usado como desculpa para outras coisas e que outras medidas deveriam ser tomadas. Se o Botafogo for rebaixado hoje a culpa é do presidente e ele tomou essa decisão para que novos líderes se apresentem e mostrem o seu valor. Se eu não tivesse confiança nesse elenco que está aí eu não tomaria essa decisão”, garantiu o presidente. 

O dirigente tentou justificar as razões de sua atitude sem criticar abertamente os atletas. “O que eu não posso dizer é que teve indiscillina, mas tem discursos que na prática não são efetivos. Estavam colocando aqui a questão financeira como culpa de tudo, mas não é bem assim. Não tenho o que falar do comportamento deles com o elenco. A questão é de atitude, relacionamento e técnica. Se eu não tivesse essa convicção, não a tomaria”, finalizou.

Sem o quarteto, o Botafogo enfrentará o Vitória neste sábado (04), pela 26ª rodada, em um confronto direto na luta contra o descenso. A partida será realizada no Barradão, casa do rubro-negro baiano.