Previsão é de que em dois dias os corpos retornem ao Brasil, diz ministro da Defesa

  • Por Jovem Pan
  • 29/11/2016 13h03
Brasília - O ministro da Defesa, Raul Jungmann durante encontro com o presidente do Senado, Renan Calheiros (Marcelo Camargo/Agência Brasil)Raul Jungmann

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou com exclusividade à Jovem Pan que o translado dos corpos deve ser feito em até dois dias ao Brasil.

Por motivos burocráticos e pela necessidade de identificação dos corpos, estes não serão trazidos de volta em um período mais curto que o dito pelo ministro. “Acredito que em mais um ou dois dias esse translado comece a acontecer. Você tem um processo burocrático, identificação, as urnas que trazem os corpos devem ser lacradas. Eu acredito que em um dia e meio ou dois, os corpos comecem a ser transladados para o Brasil”, disse.

Já nesta terça-feira (29), um avião da FAB deve sair de São Paulo em direção à Colômbia com a presença do prefeito de Chapecó, médicos, além de familiares.

O translado dos corpos, no entanto, também fica na dependência da celeridade do processo na Colômbia. O ministro garantiu ainda que “o que mais for necessário será colocado à disposição” para garantir o conforto às famílias em um momento de tanta dor.

O acidente

O avião que transportava a equipe da Chapecoense sofreu um acidente na madrugada desta terça-feira (29), por volta da 01h15, quando se aproximava de Medellín, na Colômbia. A equipe seguia viagem para a disputa da final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional nesta quarta-feira (30).

As autoridades colombianas afirmam que apenas cinco pessoas sobreviveram. Segundo a Rádio Caracol, da Colômbia, o avião não explodiu.

Alan Ruschel, Jackson e o goleiro Danilo foram os três primeiros jogadores confirmados pela imprensa local de terem sido resgatados do local. Uma tripulante e o jornalista Rafael Henzel também saíram com vida da tragédia. Algumas horas depois, foi confirmado que o zagueiro Neto também foi encontrado com vida e encaminhado para hospital. A rádio Caracol confirmou às 9h40 (horário de Brasília), no entanto, que o goleiro Danilo, resgatado com vida, morreu no centro de atendimento.

Segundo autoridades colombianas, ao menos 76 pessoas morreram no acidente. A informação foi divulgada pelo comandante da Polícia Metropolitana de Medellín, general José Acevedo, e confirmada pela Aeronáutica da Colômbia.