Raúl diz que “seria diferente não jogar com o número 7”

  • Por Agencia EFE
  • 09/03/2015 09h10
Raul

O atacante espanhol Raúl González, atualmente no Nova York Cosmos, assegurou que “seria estranho” não jogar com o número 7 e disse que ainda não decidiu se tentará virar treinador quando se aposentar.

“No Real Madrid tive o orgulho de poder usá-la durante muitos anos e era uma camisa que figuras importantíssimas e míticas no clube tinham vestido. E sempre segui com o mesmo número, no Schalke e no Catar. Seria diferente. Após 20 anos, o torcedor me relaciona com esse número. Daqui até a eternidade”, afirmou.

Em uma entrevista ao site da Fifa, o ex-capitão do Real Madrid e da seleção espanhola explicou que quando chegou ao Cosmos o número sete era usado por outro jogador espanhol, Ayoze García, embora seu companheiro não hesitou em cedê-lo. “Agradeço pelo carinho, mas disse que para mim não era problema jogar com outro número”, comentou.

“Acabo aqui pela vontade de seguir jogando e o Cosmos me ofereceu um projeto que me dá esperança. Além de poder jogar futebol, que é minha paixão, me dá também a oportunidade de ajudá-los a criar um clube no qual poderei compartilhar toda minha experiência e minhas vivências”, indicou o jogador, de 37 anos.

Após reafirmar que sua decisão de jogar pelo Cosmos e mudar para Nova York com sua família “foi a correta”, Raúl não descartou a opção de ocupar em um futuro o banco, embora agora seu principal objetivo “seja jogar e ajudar a equipe, tentar fazer as pessoas se divertirem e ganhar os títulos em jogo”.

“Hoje em dia não posso dizer que não, mas também não posso dizer que vou fazer. Veremos, pouco a pouco. O futebol é minha paixão e por enquanto me encontro bem fisicamente para seguir jogando”, concluiu.