Rebeca Gusmão denuncia abusos de dirigentes a atletas no futebol brasiliense

  • Por Fredy Junior
  • 14/09/2014 10h57

Campeã panamericana com a natação se aventurou no futebol como terapia contra a depressão

Rebeca Gusmão revela abusos de dirigentes à atletas no futebol brasiliense

A ex-nadadora Rebeca Gusmão iniciou uma nova fase em sua vida, apostando agora na carreira como modelo e superando problemas de depressão, após ser banida das piscinas. O que poucas pessoas sabem é que medalhista panamericana também se aventurou como jogadora de futebol, segundo ela como forma de terapia. Em entrevista à rádio Jovem Pan, Gusmão revelou que não só de alegria foi feita a sua passagem pelos gramados e escancarou os problemas por qual diversas jovens passam para realizar seu sonho de ser profissional, citando até casos em que dirigentes ofereciam crescimento em troca de sexo.

“Vi isso no time que jogava, vi meninas serem trazidas de outros estados para serem tratadas como empregadas dentro de casa de treinador e presidente de clube. Como não passei por essa situação, não posso denunciar. Falei para elas fazerem isso, mas por medo de represálias, não fizeram. Quem faz isso com essas meninas tem que estar atrás das grades”, afirmou.

Rebeca diz ter criado repulsa após presenciar esses fatos pelos em um dos dois clubes que jogou em Brasília. Sem querer mencionar qual foi, a funcionária da Secretaria de Esportes do Distrito Federal cobrou maior participação dos políticos e das confederações para que casos de abuso contra jovens não ocorram mais.

“Criei uma repulsa grande quanto a isso. São meninas ingênuas, menores e que trocam isso por um prato de comida. Viver num país que sediou uma Copa e vai receber a Olimpíada e ter que se submeter a isso, os políticos e confederação tem que voltar os olhos para o futebol feminino para isso não acontecer”, desejou. “No meu time aconteceu. Eu vi isso acontecer. Prefiro não falar o nome, mas todo mundo sabe o nome. Joguei em dois times aqui. No time em que fui campeã não aconteceu”, deu a dica.

Após superar a depressão, a ex-atleta olímpica comentou sobre a sua nova empreitada profissional, agora como modelo. Com um físico muito mais feminino, comparado ao seu tempo como nadadora, Gusmão brinca e fala que posar é pior do que treinar. Feliz, ela relembra por tudo o que passou até chegar na forma que está.

“Eu estou seguindo por esse caminho. É um trabalho muito difícil, é pior do que treinar. Quando vou fazer sessão de fotos, é bem cansativo. Mas estou gostando muito, depois de tudo que passei, tudo que vivi, todo o sofrimento, hoje estar me amando da forma que estou, é uma realidade diferente. Hoje estou vivendo o meu sonho e feliz”, finalizou.

Confira muitos outros assuntos da entrevista com a ex-nadadora Rebeca Gusmão no áudio acima.