Recordes, zebra, ataque contra defesa… o que esperar do Super Bowl 51?

  • Por Jovem Pan
  • 31/01/2017 15h38

Tom Brady e Matt Ryan se enfrentarão pelo título do Super Bowl LI

Tom Brady e Matt Ryan se enfrentarão pelo título do Super Bowl LI

A temporada da NFL chega ao fim neste domingo com o New England Patriots e o Atlanta Falcons lutando pela conquista da 51ª edição do Super Bowl. De um lado, um time acostumado com as finais e colecionador de recordes, no outro, uma franquia com uma temporada exemplar buscando um feito inédito.

Mais que a busca do quinto Super Bowl, os Patriots chegam a Houston, o palco da final, com a missão de escrever seu nome na história da liga. A presença da franquia de Boston em mais uma final, por si só, já é um recorde. Nunca um time disputou tantos Super Bowls quanto o New England: é a nona participação, sendo sete delas nos últimos 16 anos.

Esse desempenho dos Patriots desafia a fama de “equilibrada” que a principal liga de futebol americano construiu. Ao contrário do que se vê no futebol, o sucesso do time de Boston não está atrelado ao seu poderio financeiro, até porque a NFL adota um regime de teto salarial desde 1994. A “dinastia” que os Patriots estão formando está pautada no espírito vencedor e na competência do seu técnico, Bill Belichick e do seu quarterback, Tom Brady.

Maiores da história?

Após uma passagem desastrosa pelo New York Jets, Bill Belichick chegou em 2000 aos Patriots e, poucos meses depois, draftou, somente na sexta rodada, o jovem QB Tom Brady. Juntos, Bellichick e Brady transformaram os Patriots de um coadjuvante na liga ao time a ser batido. Desde o início da parceria foram seis Super Bowls disputados (este é o sétimo da dupla) e quatro conquistados.

Tom Brady é o principal porta-voz da filosofia vencedora de Bill e caminha a passos largos para se tornar o maior quarterback da história da NFL. Além das sete participações em Super Bowls, Brady também coleciona a marca de maior número de vitórias em playoffs:  24 no total – oito a mais que a lenda Joe Montana, do San Francisco 49ers.

Neste domingo, Brady também tem como missão deixar para trás as recentes polêmicas que envolvem seu nome. Sua última vitória, no Super Bowl XLIX, ficou marcada pela acusação das bolas murchas na final de Conferência, caso que ficou conhecido como “deflategate” e lhe rendeu quatro jogos de punição em 2016. Também deve cair sobre seus ombros a amizade com o presidente Donald Trump, que rendeu bastante assunto entre a imprensa norte-americana na última semana.

Zebra… só que não!

Do outro lado do campo estará um time considerado uma surpresa para o grande público da NFL. Quem não testemunhou o Atlanta Falcons massacrando o Green Bay Packers na final da NFC pode até ter imaginado estar diante de uma grande zebra. Sem muita visibilidade durante a temporada regular (o time de Atlanta não teve nenhuma partida exibida pelo Sunday Night Football, principal audiência da NFL), os Falcons surpreenderam muitos torcedores durante os playoffs.

O líder com a missão de levar os Falcons a uma inédita conquista do Super Bowl é o quarterback Matt Ryan, forte candidato ao prêmio de MVP (jogador mais valioso) da temporada. O ataque liderado por ele chegou a 540 pontos em 2016 (oitava melhor marca na história da liga), além de chegar à final com 373 passes completados e 38 touchdowns alcançados.

Ataque contra defesa: quem leva a melhor?

O ataque fulminante de Atlanta assustou os torcedores de Green Bay, que viram Aaron Rodgers e companhia irem para o vestiário no intervalo tendo que reverter um 24 a 0 no placar. Mas não foram só os Packers que sofreram na mão dos Falcons.

O time de Matt Ryan marcou mais de 20 pontos em todas as suas 11 vitórias na temporada regular, sempre marcando touchdowns na primeira descida no jogo. Era comum ver o time de Atlanta chegar ao intervalo com uma vantagem de 20 pontos no placar.

Do outro lado, Matt Ryan encontrará a defesa que menos cedeu pontos nos 16 jogos que disputou. Enquanto os Falcons têm uma média de 33,8 pontos marcados, os Patriots têm uma média de 15,6 pontos cedidos.

E o que acontece quando o melhor ataque encontra a melhor defesa no Super Bowl? O retrospecto prova que os melhores defensores costumam sair com a taça. Um bom exemplo disso foi atuação de Von Miller e a defesa dos Broncos na final do ano passado, que garantiu a vitória para o time de Denver.

A história do grande duelo entre o imbatível Patriots de Tom Brady contra o fulminante Falcons de Matt Ryan começa a ser escrita às 21h (de Brasília) no NRG Stadium, em Houston, Texas. O tradicional show do intervalo fica por conta da cantora pop Lady Gaga.

Confira os três capítulos do especial da Jovem Pan sobre o futebol americano:

Futebol americano cresce no Brasil e deixa de ser o esporte do “marido da Gisele”

Além da final: shows e experiências com fãs garantem lucro bilionário à NFL

Mais que um jogo: o que o Super Bowl representa para os EUA?